Novo Diretor do INEM Será Bem-vindo se Quiser Reverter Degradação Atual - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 5 de julho de 2024

Novo Diretor do INEM Será Bem-vindo se Quiser Reverter Degradação Atual

 


O presidente do Sindicato dos Técnicos de Emergência Médica (STEM) considerou que o diretor hoje indigitado para o INEM será bem-vindo se quiser trabalhar para reverter a degradação atual daquele organismo e dialogar com os trabalhadores.


Em declarações à agência Lusa, num comentário à nomeação hoje anunciada pelo Governo do anestesista Vítor Almeida para presidir ao Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) em regime de substituição por 60 dias, o sindicalista Rui Lázaro afirmou que o foco do STEM “não são as pessoas” e a pessoa escolhida tem “um currículo conhecido”.


O presidente do STEM, Rui Lázaro, questionou se o médico escolhido pela tutela para substituir Luís Meira, que se demitiu após críticas da ministra da Saúde, Ana Paula Martins, terá “capacidade para gerir um instituto do tamanho e especificidades do INEM e reverter a degradação instalada de falta de pessoal e de meios.


“Sendo o início de um novo ciclo, e se vier para trabalhar e disponível para negocial com os representantes dos trabalhadores, será bem-vindo”.


Contudo, vincou que se não conseguir reverter a situação de degradação que o INEM atravessa, nem disponível para falar com os sindicatos, o STEM estará disponível para fazer oposição.


Por seu turno, a Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica (ANTEM) vê “com elevada preocupação a nomeação” de Vítor Almeida, considerando que “não é a pessoa com o perfil adequado que a ANTEM vislumbra para os destinos do INEM”.


Em comunicado, adianta que a direção da associação vai reunir-se hoje para discutir “os procedimentos concretos a serem desenvolvidos”.


O Ministério da Saúde anunciou hoje que o médico anestesista Vítor Almeida foi nomeado para ficar durante 60 dias em regime de substituição na presidência do INEM.


“Vítor Almeida é nomeado em substituição do anterior presidente, Luís Meira, que apresentou esta semana a sua demissão à Ministra da Saúde, promovendo-se de imediato à abertura de concurso” junto da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CReSAP), lê-se num comunicado do Ministério.


O ministério refere ainda que, “sem prejuízo desse concurso”, Vítor Almeida “já foi avaliado positivamente e pré-selecionado pela CReSAP para o mesmo cargo, em concursos anteriores”.


Vítor Almeida é anestesista no Hospital São Teotónio, em Viseu, e um dos fundadores da Sociedade Portuguesa de Medicina de Urgência e de Emergência.


Tem defendido a criação da especialidade de medicina de urgência e foi um dos subscritores do projeto para criar a especialidade que esteve em discussão no Conselho Nacional da Ordem das Médicos e que acabou chumbado.


Segundo a nota do Ministério, Vítor Almeida, que nasceu em Lisboa em 1966, licenciou-se em Medicina na Faculdade de Hannover, na Alemanha.


Em Portugal, fez o internato no Hospital Universitário de Coimbra, completou o internato complementar de Medicina Geral e Familiar no Centro de Saúde Norton de Matos, em Coimbra.


Especialista em anestesiologia, Vítor Almeida fez o seu o internato complementar no Hospital Universitário de Coimbra e no Hospital Hadassah, em Jerusalém.


O seu percurso profissional como anestesiologista e emergência médica passou pelo Hospital Universitário de Coimbra, Hospital S. Teotónio de Viseu e Hospital de Faro.


Ingressou como Médico de Helicóptero do INEM, passando depois a coordenador do serviço noturno.


O responsável fica a substituir Luís Meira, que na segunda-feira apresentou a demissão à ministra da Saúde, Ana Paula Martins, na sequência da polémica com a renovação do contrato para os helicópteros de assistência médica.


O Ministério da Saúde criticou no domingo o INEM por ter deixado terminar o prazo para o lançamento do concurso público internacional, obrigando a novo ajuste direto.

Sem comentários:

Enviar um comentário