"Mãe eu fiz o que me pediste..." - VIDA DE BOMBEIRO

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 25 de junho de 2015

"Mãe eu fiz o que me pediste..."

MÃE... fiz o que me pediste. Fui à festa, mãe. Fui a uma festa, e lembrei-me do que me disseste.

Pediste-me que eu não bebesse álcool, mãe... Então, bebi uma "Sprite". Senti orgulho de mim mesma, e do modo como me disseste que eu me sentiria e que não deveria beber e conduzir. Ao contrário do que alguns amigos me disseram. 

Fiz uma escolha saudável, e o teu conselho foi correcto. E quando a festa finalmente acabou, e o pessoal começou a conduzir sem condições... Fui para o meu carro, na certeza de que iria para casa em paz... 

Eu nunca poderia esperar... 

Agora estou deitada na rua, e ouvi o polícia dizer: "O rapaz que causou este acidente estava bêbado", mãe, a voz parecia... Tão distante... 

O meu sangue está escorrido por todos os lados e eu estou a tentar com todas as minhas forças, não chorar... Posso ouvir os paramédicos dizerem: "A rapariga vai morrer"... Tenho a certeza de que o rapaz não tinha a menor ideia, enquanto ele estava a toda velocidade, afinal, ele decidiu beber e conduzir e agora... Tenho que morrer... Então por que as pessoas fazem isso, mãe? Sabendo que isto vai arruinar vidas? 

A dor está-me a cortar como uma centena de facas afiadas... Diz à minha irmã para não ficar assustada, mãe, diz ao papá que ele... Seja forte... E quando eu for para o céu, escreva "Menina do Pai" na minha sepultura... Alguém deveria ter dito aquele rapaz que é errado beber e conduzir... Talvez, se os seus pais tivessem dito, eu ainda estivesse viva... 

Minha respiração está a ficar mais fraca, mãe, e estou realmente a... Ficar com medo... Estes são os meus momentos finais e sinto-me tão desesperada... Eu gostaria que tu pudesses abraçar-me, mãe, enquanto estou esticada aqui a morrer, eu gostaria de poder dizer que te amo, mãe... Então... Amo-te e adeus... Estas palavras foram escritas por um repórter que presenciou o acidente. 

A jovem, enquanto agonizava, ia dizendo as palavras e o repórter ia anotando... muito chocado. 

Este repórter iniciou uma campanha. Se esta MENSAGEM chegou até si e você o apagar, pode estar a perder a chance de consciencializar mais e mais pessoas, fazer com que a sua vida TAMBÉM CORRA PERIGO! Com este pequeno gesto pode fazer uma grande diferença. PARTILHE!!!

________________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________