Mais de Mil Mortos no Paquistão Devido a Onda de Calor - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Mais de Mil Mortos no Paquistão Devido a Onda de Calor



Mais de mil mortos no Paquistão devido a onda de calor


A onda de calor no sul do Paquistão já causou mais de mil mortos, principalmente entre trabalhadores pobres, mendigos e idosos em Carachi, sem meios para enfrentar as temperaturas elevadas.

No passado fim de semana, a temperatura atingiu os 45º em Carachi, capital financeira e a maior cidade do país com perto de 20 milhões de habitantes.

Pelo menos 1.079 mortes foram registadas nestes últimos cinco dias nos principais hospitais da cidade (929 nos estabelecimentos públicos e 150 nos privados), de acordo com uma contagem realizada hoje por um jornalista da agência noticiosa francesa AFP.

"O balanço é agora superior a mais de mil mortos, mas este número pode rondar os 1.500 já que algumas pessoas morreram em casa ou em clínicas privadas", disse Anwar Kazmi, um porta-voz da Fundação Edhi, a mais importante organização de assistência do país, que recebeu vários corpos.

As vítimas dirigiram-se aos hospitais, que se encontram em estado de alerta, e a unidades de cuidados de saúde instaladas nos últimos dias pela cidade.

De acordo com responsáveis hospitalares, mais de 80 mil pessoas foram atendidas desde o fim de semana passado devido a insolação, asfixia e desidratação.

As temperaturas desceram hoje para 34º em Carachi, com ventos mais frescos e céu enovado. "Hoje recebemos menos pacientres e esperamos que isto continue", disse a médica Seemin Jamali, diretora do hospital universitário Jinnah de Carachi.

Os funcionários das morgues e cemitérios estão a tentar responder ao fluxo de corpos, na maioria de "pessoas com mais de 50 anos, mais sensíveis à insolação, e que trabalham ao ar livre", explicou o médico Qaiser Sajjad, da Associação dos Médicos do Paquistão (PMA, sigla em inglês).


Os trabalhadores pobres, remunerados por tarefa desempenhada, não têm alternativa à deslocação diária aos estaleiros para conseguir um salário, independentemente das condições.


"Também há algumas crianças" entre as vítimas, acrescentou Sajjad, lamentando a falta de informação, em geral, da população sobre comportamentos que podem salvar vidas (beber água)


Fonte:Noticias ao minuto