Viatura Médica da Guarda inoperacional por falta de equipa - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

segunda-feira, 20 de junho de 2022

Viatura Médica da Guarda inoperacional por falta de equipa

 


A Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Hospital da Guarda está inoperacional durante o dia de hoje por falta de equipa. Na quarta-feira volta a estar indisponível durante a tarde.


Numa altura em que vários serviços de urgência do país, em particular os de Ginecologia e Obstetrícia, estão com graves constrangimentos por falta de médicos, também o preenchimento das escalas para as Viaturas Médicas do INEM está a ser afetado.


Contactada pelo JN, a Unidade Local de Saúde da Guarda confirmou a indisponibilidade daquele que é o mais diferenciado meio de socorro pré-hospitalar da região.


Segundo a diretora Clínica dos Cuidados de Saúde Hospitalares, Fátima Cabral, a VMER da Guarda está inoperacional desde as 8 horas desta segunda-feira até às 20 horas.


Amanhã, terça-feira, estará operacional todo o dia, garante a mesma responsável. Mas na quarta-feira voltará a estar indisponível entre as 14 e as 20 horas.


O Hospital não esclareceu os motivos da inoperacionalidade, mas o JN sabe que estão relacionados com falta de tripulação, que é constituída por um médico e um enfermeiro. Esta equipa tem de estar integrada no serviço de urgência e ter formação específica dada pelo INEM.


Os problemas de operacionalidade da VMER da Guarda não são novos. Conforme o JN noticiou em maio passado, aquela viatura registou, em 2021, uma taxa de inoperacionalidade de 11,48%, a mais alta das 44 viaturas médicas do país. Só no mês de dezembro esteve indisponível para o socorro durante 277 horas, o equivalente a 12 dias inteiros.


O problema é mais crítico no interior porque as viaturas médicas cobrem vastas extensões de território. Quando uma está indisponível e há um pedido de socorro de prioridade máxima é necessário acionar a viatura médica mais próxima, que é forçada a deixar a região onde está sedeada a descoberto.


Desde 2014 que as administrações hospitalares são legalmente responsáveis por garantir a operacionalidade das viaturas médicas.


Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________