Bombeiros Deixam Família em Lisboa para Combater Incêndios no Alto Minho - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

sexta-feira, 2 de julho de 2021

Bombeiros Deixam Família em Lisboa para Combater Incêndios no Alto Minho

 


São 16 bombeiros e, pelo quarto ano consecutivo, deixam a família em Lisboa para combater incêndios durante três meses no distrito de Viana do Castelo. A ‘Brigada Javali’, da Associação Humanitária dos Bombeiros do Beato e de Penha de França, chegou hoje a Arcos de Valdevez, onde foi recebida pelas altas entidades dos bombeiros do distrito. Prepara-se para três meses de “muito trabalho”, conforme adiantou a O MINHO o comandante da corporação lisboeta, Mário Ribeiro.


Uma interajuda que se repete desde 2017, ano em que, pela primeira vez, foi feita a experiência de alocar uma corporação lisboeta no distrito de Viana do Castelo, por existir um número reduzido de operacionais e também porque há um elevado número de incêndios, devido à imensa área florestal. 


Este ano, Mário Ribeiro volta a trazer os seus ‘javalis’ para ajudar no combate aos incêndios e, também, para que estes adquiram experiência no combate florestal, uma vez que atuam o ano todo em área predominantemente urbana. “Estamos cá os mesmos 16 do ano passado para ajudar os nossos camaradas nesta altura tão complicada do ano”, explica o comandante, referindo-se ao período de Dispositivo de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), durante o verão.


Como nos outros anos, impôs-se a força maior de ajuda, em detrimento da família, que fica para segundo plano. “Sim, para nós é complicado ficar longe da família durante três meses, eu tenho filhos pequenos, mas alguém tem de fazer este papel, Vestimos a camisola em 2017 e, desde aí, decidimos que enquanto o distrito de Viana nos quiser cá em cima, cá estaremos, até porque nos sentimos sempre muito acarinhados”, conclui.


O grupo foi recebido por Germano Amorim, presidente da Federação de Bombeiros de Viana do Castelo, que presidiu a uma cerimónia “simbólica” da receção na companhia do comandante operacional distrital Marco Domingues e do 2.º comandante Paulo Barreiro, assim como dos comandantes António Cruz (Sapadores de Viana), Filipe Guimarães (Bombeiros de Arcos de Valdevez) e José Freitas (Bombeiros de Ponte da Barca).


“O Dispositivo de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) está a partir de hoje, 01 de julho, no nível mais alto de empenhamento operacional e o Alto Minho encontra-se melhor preparado para combater o flagelo dos incêndios rurais com o reforço de 16 elementos e 5 viaturas dos Bombeiros do Beato e Penha de França – Lisboa, que irão reforçar o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais na importante e indispensável ajuda no combate aos incêndios em todo o distrito de Viana do Castelo”, pode ler-se numa nota publicada pela Federação.


Fonte: O Minho

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________