Covid-19 | Bombeiro de Tomar Incorre em Processo Disciplinar por Não Cumprir Protocolo nem Isolamento - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Covid-19 | Bombeiro de Tomar Incorre em Processo Disciplinar por Não Cumprir Protocolo nem Isolamento

 


Um elemento da corporação dos Bombeiros Municipais de Tomar incorre em processo disciplinar por não ter cumprido o protocolo relativo à covid-19, não ter comunicado ao Município a situação de proximidade que teve com uma pessoa infetada, enquanto entidade patronal, tendo inclusive desrespeitado a ordem para isolamento profilático ao passear pela cidade como se nada fosse. 


O assunto foi confirmado pela presidente da Câmara Municipal, Anabela Freitas (PS), em reunião de executivo. Confrontada pelo PSD sobre se estariam bombeiros em isolamento sem qualquer tipo de apoio ou contacto por parte das entidades de saúde e Município, a autarca referiu que o bombeiro em causa não cumpriu o protocolo no exercício das funções, não comunicou à chefia ter tido contacto com caso positivo de covid-19 durante transporte de uma parturiente ao hospital, tendo inclusive desrespeitado a ordem para isolamento profilático ao passear pela cidade como se nada fosse. Por não ter cumprido o protocolo e não ter comunicado ao Município a sua situação, enquanto entidade patronal, deverá incorrer num processo disciplinar.


Anabela Freitas explicou que o caso remete para um serviço da corporação de Bombeiros Municipais de Tomar, em que três bombeiros transportaram no dia 18, à noite, uma parturiente que acabou por testar positivo à covid-19 quando chegou ao hospital. “Nenhum desses bombeiros comunicou ao Comandante da corporação o que se passava. Um deles liga para a Saúde 24 nessa noite, e mandaram-no estar em isolamento”, começa por contar.


A autarca diz ter sabido do caso no dia seguinte, à tarde, pela Delegada de Saúde Pública que foi informada pela Saúde 24, tendo a edil Anabela Freitas ligado de imediato ao Comandante dos Bombeiros Municipais, que referiu terem sido colocados em isolamento profilático os três bombeiros em causa.


Célia Bonet (PSD) quis saber se seria verdade que alguns bombeiros estão de quarentena, porque transportaram pessoas que testaram positivo à covid-19. “Desde o dia que ficaram em quarentena não tiveram qualquer contacto com nenhuma das autoridades de saúde nem do Município. Alguns deles, segundo telefonema que me fizeram há pouco, estão em dificuldades, estão desde quinta-feira sem conseguir contactar a Delegada de Saúde e sem conseguir aceder à Linha Saúde 24. É dito também que da parte do Município não houve qualquer interesse em contactar os bombeiros”, adiantou a vereadora da oposição.


Em resposta à vereadora Célia Bonet (PSD), que disse ter recebido telefonema a expor a situação, a autarca tomarense afirmou que tem de haver “filtros” sobre o que foi informado.


“Esse, que foi quem certamente lhe ligou, andou a passear aqui na cidade quando o mandaram estar em isolamento profilático. Inclusive foi aos Recursos Humanos da autarquia. O caso foi falado com a Delegada de Saúde, tendo estado os bombeiros a aguardar para fazerem testes. Como noutras situações, deverão fazer teste entre o 5º e o 7º dia, e enquanto não tiverem resultado do teste, não entram no quartel dos bombeiros”, justificou.


Acontece que o bombeiro que não cumpriu com o dever de isolamento, acompanhou a parturiente de perto. “Há um que não cumpre o que são os procedimentos que estão definidos, ainda por cima é aquele que anda a passear. Em princípio não haverá problema, porque vão sempre equipados. Mas o risco pode ter acontecido dentro da célula da ambulância ou quando acompanhou a parturiente no elevador”, relevou.


“Os bombeiros sabem muito bem qual é a sua hierarquia. Ligou para a Saúde 24 e não disse nada à entidade patronal, andou a passear na rua e não disse nada à entidade patronal. Sabíamos que tinha ligado porque a Delegada de Saúde teve conhecimento e reportou o caso. Independentemente de estar ou não positivo, há aqui um procedimento que ele não cumpriu. Certamente haverá aqui um processo disciplinar. Ação tem reação. Já não é a primeira vez que este bombeiro incorre num processo disciplinar, já em 2017 foi alvo de um”, concluiu.


O mediotejo.net confirmou junto do Comandante dos Bombeiros que os três tripulantes da ambulância que transportou a mulher grávida, já em trabalho de parto, testaram negativo, e regressaram ao serviço na terça-feira, dia 24.


O Comandante disse desconhecer detalhes quanto ao ‘furo’ do isolamento por parte de um dos operacionais, referindo apenas saber que não esteve no quartel por não estar ao serviço.


Serviços e funcionários com modelo definido e teletrabalho sempre que possível


Em balanço feito também a pedido do PSD sobre o quão afetados poderiam estar a ser os serviços da autarquia pela pandemia de covid-19, a presidente da Câmara deu conta de ter estado encerrada a Divisão Financeira durante duas semanas, por caso positivo detetado numa trabalhadora, tendo toda a divisão efetuado isolamento profilático e já retomou as funções na semana passada.


Durante a semana passada “surgiu um trabalhador que vive com familiar positivo à covid-19. Foi testado, e apesar do resultado ter dado negativo, encontra-se em isolamento profilático”.


A presidente da Câmara referiu ainda estarem três trabalhadores em isolamento profilático, a aguardar resultados de testes, com a autarca a admitir que “um deles anda sempre aí na rua a passear e já foi referenciado às autoridades policiais”.


O teletrabalho tem sido privilegiado desde o primeiro período de confinamento, mas nem sempre é possível. “Há setores, que mesmo estando em teletrabalho, não é possível fazer a totalidade do trabalho. Há pagamentos que têm que ser feitos na Câmara Municipal, e onde têm de estar funcionários presencialmente”, notou.


“Vamos ter sistemas mistos, entre presencial e o resto em teletrabalho, e vamos ter sempre espelho quando não é possível estar em teletrabalho, com horários desfasados para que não haja muita gente dentro da mesma sala”, deu conta.


“Têm estado sempre funcionários em teletrabalho”, mantendo-se um modelo misto e que vai sendo adequado conforme a situação em contínua reavaliação.


Fonte: Medio Tejo

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________