Covid-19. O que acontece quando o vírus infeta um quartel de bombeiros? - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 18 de junho de 2020

Covid-19. O que acontece quando o vírus infeta um quartel de bombeiros?


O município de Benavente teve um mês de Abril tranquilo, mas o mais recente surto na região de Lisboa e Vale do Tejo está a mudar essa tendência. No quartel de Bombeiros Voluntários de Samora Correia, uma das freguesias do concelho, há 11 operacionais infetados.

“Pelo menos dois bombeiros tiveram sintomas ligeiros, mas, do ponto de vista clínico, a situação não é preocupante”, diz ao Expresso o presidente da Câmara Municipal de Benavente, Carlos Coutinho. O autarca explica que o recente surto que afetou o Corpo de Bombeiros Voluntários de Samora Correia e infetou 11 operacionais, incluindo o comandante, é uma consequência do estado da pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo. “Não temos cadeias de contacto no município. Os casos que existem, como este, são todos importados”, conclui o presidente. Nos últimos 10 dias, o números de casos confirmados no município subiu de 65 para 86. O Estado de Emergência Municipal continua ativo e as reuniões no Posto de Comando voltaram a ser diárias.

O primeiro caso nos bombeiros de Samora Correia foi confirmado ainda no início do passado fim de semana e suspeita-se que tenha tido origem na região da Póvoa de Santa Iria, onde reside o operacional infetado. O que se seguiu foi uma luta contra o tempo, para rastrear todas as linhas de contágio que poderiam dali ter resultado. A partir daquele bombeiro infetado, rastrearam-se os colegas com quem contactou nos dias anteriores e respetivas famílias. “Alguns têm filhos na escola primária e na escola básica”, diz o presidente da Junta de Freguesia de Samora Correia, Augusto Ferreira. “A prioridade agora é impedir que alguns casos isolados se transformem num foco de infeção”.

Os testes rápidos feitos aos bombeiros no fim de semana começaram a chegar positivos ainda no domingo, mas só na terça feira se conheceram os resultados finais: 11 bombeiros estão infetados, incluindo o capitão, e 43 deram negativo. Alguns operacionais estão em confinamento dentro do quartel, outros nas próprias residências e há ainda um grupo de 20 elementos, onde se inclui o comandante, que está em isolamento numa Zona de Concentração e Acolhimento de Pessoas (ZCAP), na Companhia das Lezírias.

Ainda na madrugada de domingo para segunda feira, todas as áreas do quartel foram descontaminadas por ozonificação. Nessa mesma noite, o corpo de bombeiros reajustou a sua capacidade: o socorro à população passou a ser assegurado pelos Bombeiros Voluntários de Benavente e Vila Franca de Xira. “A este ponto, termos ambulâncias de Samora Correia a socorrer a população poderia gerar desconforto e insegurança”, completa o presidente da autarquia. Os testes foram também alargados aos funcionários da proteção-civil e do posto de comando. Todos deram negativo.

O quartel de Bombeiros Voluntários de Samora Correia está agora com a sua capacidade reduzida, mas, numa publicação na rede social Facebook, o comandante dos bombeiros, Miguel Cardia, tal como os presidentes da concelhia e freguesia, garantem que o socorro à população nunca esteve, nem está comprometido.

Fonte: Expresso

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________