Ex-comandante da Proteção Civil ouvido no Parlamento sobre acusação de mentiras - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Ex-comandante da Proteção Civil ouvido no Parlamento sobre acusação de mentiras


O ex-segundo comandante nacional da Proteção Civil, Albino Tavares, vai ser ouvido no Parlamento sobre o relatório da Comissão Técnica Independente (CTI) dos incêndios de outubro, após ter sido acusado pelo ex-secretário de Estado Jorge Gomes de ter mentido aos peritos sobre aqueles dias trágicos.

Com a abstenção do PS e do BE, a Comissão dos Assuntos Constitucionais aprovou, esta quarta-feira, um requerimento do CDS para a audição do ex-segundo comandante nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Albino Tavares.

O pedido dos centristas surgiu depois do atual deputado Jorge Gomes, ex-secretário de Estado da Administração Interna, ter acusado Albino Tavares de ter mentido aos peritos da Comissão Técnica Independente, que elaboraram o relatório aos incêndios de 15 de outubro.

Albino Tavares garantiu aos peritos que, perante os alertas meteorológicos e de seca prolongada, Jorge Gomes rejeitou antes da tragédia os pedidos da ANPC para reforço dos meios de combate aos incêndios e o prolongamento do dispositivo da Fase Charlie - a que dispõe de mais meios e que terminou a 30 de setembro.

O objetivo do CDS é aproveitar a audição do ex-comandante para realizar uma acareação com Jorge Gomes.

Com a demissão do então comandante nacional da ANPC, Rui Tavares, devido à polémica que se prendeu com a sua licenciatura, Albino Tavares assumiu o lugar interinamente. Neste momento, com a reformulação que ocorreu no comando da Proteção Civil, Albino Tavares acabou por abandonar aquelas funções mas foi entretanto nomeado para adjunto do atual comandante nacional, o tenente-coronel Mourato Nunes.

Além da audição de Albino Tavares, foram aprovados os pedidos do PSD, do CDS e do BE para se ouvirem o ex-presidente da Proteção Civil, Joaquim Leitão, a Autoridade Nacional de Proteção Civil, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera a associação de vítimas dos incêndios florestais, a Liga dos Bombeiros Portugueses, a Associação Nacional de Bombeiros e a Associação Portuguesa de Bombeiros Voluntários. O ministro Eduardo Cabrita também irá ao Parlamento prestar esclarecimentos. 

JN

Sem comentários:

Enviar um comentário