Investigadores Estudam Autoproteção de Edifícios em Incêndio Rural - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

segunda-feira, 8 de janeiro de 2024

Investigadores Estudam Autoproteção de Edifícios em Incêndio Rural

 


A Universidade de Coimbra (UC) vai fazer uma demonstração de soluções de autoproteção de edifícios em caso de incêndio rural, na quarta-feira, na Lousã, informou hoje esta instituição de ensino superior.


O Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais (CEIF) da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) vai dar a conhecer essas soluções que são resultado do projeto denominado "House Refuge" (Casa Segura).


O evento realiza-se no Laboratório de Estudos sobre Incêndios Florestais, na Lousã, às 09:30, refere a UC, numa nota de imprensa hoje divulgada.


De acordo com o coordenador do projeto, Miguel Almeida, quando ocorrem incêndios catastróficos o dispositivo público de combate e proteção contra incêndios rurais "nunca é suficiente para acudir a todas as situações que carecem de intervenção".


Por outro lado, a alocação de meios para proteção de cidadãos ou edifícios retira capacidade de supressão do incêndio, o que impede uma atuação efetiva na raiz do problema.


Perante tal, "compreende-se que a capacidade de autoproteção e as medidas de prevenção e preparação dos cidadãos e comunidades para enfrentarem os incêndios rurais são essenciais e cada vez mais urgentes no ciclo de gestão de grandes incêndios. O que exige, por sua vez políticas públicas e medidas legislativas ajustadas e eficazes ao magno desafio enfrentado", considera o investigador.


No entanto, a atual legislação portuguesa relativa à gestão do risco de incêndio rural na interface urbano florestal (IUF), no espaço onde a vegetação e pessoas ou infraestruturas coexistem de forma expressiva, apresenta "pouca fundamentação científica que deveria servir-lhe de suporte".


O projeto "House Refuge" surgiu para dar uma melhor resposta no âmbito da gestão do risco de incêndio na IUF à escala da propriedade, ou seja, na construção e na sua envolvente até 50 metros.


Foram criados vários conteúdos técnicos que se focaram em componentes como a construção, a envolvente e a capacidade de autoproteção.


Foi também feita uma análise à atual legislação e realizado um estudo ao setor dos seguros sobre as suas práticas atuais e perspetivas futuras em relação à assunção do risco de incêndio rural em edifícios.


"Está ainda prevista a publicação de dois livros com resultados, um de índole científica e outro de índole mais técnica, bem como a publicação de um conjunto de vídeos com instruções básicas para que o cidadão comum possa perceber o que fazer antes, durante e após um incêndio rural que ameace a sua casa e o seu ambiente familiar", adianta Miguel Almeida.


A sessão conta ainda com a partilha e debate de várias propostas científicas, técnicas e jurídicas relativamente à gestão do risco de incêndio nestes espaços, olhando para o cidadão enquanto elemento central de todo este processo.


Todas as informações sobre o projeto podem ser consultadas através do 'site' www.adai.pt/houserefuge.


A participação no 'workshop' é gratuita, no entanto, é necessária inscrição prévia, que pode ser efetuada através do seguinte 'link' https://forms.gle/4Q7nNQA4AdYkwD8U9.


O evento tem uma lotação de 50 participantes, que serão selecionados por ordem de inscrição, que termina hoje.


A inscrição será confirmada posteriormente por endereço eletrónico.


Noticias ao Minuto

Sem comentários:

Enviar um comentário