“Não é todos os dias que nos nasce uma criança nas mãos, marca a nossa vida como bombeiros” - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

sexta-feira, 18 de novembro de 2022

“Não é todos os dias que nos nasce uma criança nas mãos, marca a nossa vida como bombeiros”

 


A incerteza marca diariamente a vida dos bombeiros e que o digam Vítor Pinto e Marco Lopes, que no dia 13 de novembro participaram, pela primeira vez, num parto.


Estava previsto transportar a mulher em trabalho de parto até ao hospital, contudo não se reuniram os “critérios necessários” para realizar o parto em ambiente pré-hospitalar. Desta forma, “quis o destino” que a pequena Maria Leonor nascesse dentro da ambulância. O parto acabou por ficar nas mãos do bombeiro de 1.ª Vítor Pinto e do bombeiro de 3.ª Marco Lopes.


Ao Jornal A VERDADE, Vítor Pinto fala de um sentimento de “responsabilidade. Em vez de estarmos a lidar só com uma vida, estamos a lidar com duas. Há sempre algum receio porque não é uma situação que nós realizamos todos os dias”.


À semelhança dos bombeiros, os pais também foram apanhados de “surpresa”, mas reagiram “bem. Eles não estavam a contar que fosse acontecer pelo caminho, pensavam que ainda ia dar tempo para chegar ao hospital. O pai até era para ir sozinho com a esposa na carrinha deles, mas depois achou que era melhor chamar a ambulância”, partilha o bombeiro.


Durante o parto existiu um percalço, a Maria Leonor tinha o cordão umbilical à volta do pescoço, mas os bombeiros destacam que “nós temos formação e fizemos aquilo que tínhamos de fazer, conseguimos tirar o cordão e depois o parto correu normalmente”.


A criança nasceu pelas 19h17 e foi acompanhada, ainda, pela equipa da VMER (Viatura Médica de Emergência e Reanimação) do Hospital S. Sebastião – Feira. No final, a emoção predominante foi de “felicidade. É sempre bom ver o nascimento de uma criança”.


O bombeiro Vítor termina por dizer que “não é todos os dias que nos nasce uma criança nas mãos, marca a nossa vida como bombeiros“.


Os Bombeiros Voluntários de Castelo de Paiva agradecem aos bombeiros Vítor e Marco, à equipa da VMER e felicitam os pais da bebé, deixando uma mensagem à “princesa” Maria Leonor: “desejamos que tenha uma vida tão especial quanto o seu nascimento”.


Fonte: A Verdade

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________