Mais de 20 mil hectares queimados este ano num aumento de 68% face a 2021 - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

terça-feira, 12 de julho de 2022

Mais de 20 mil hectares queimados este ano num aumento de 68% face a 2021

 


Os incêndios florestais em Portugal queimaram este ano 20379 hectares, mais 68% do que em período idêntico do ano passado, segundo dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Dados provisórios disponíveis na página da Internet do ICNF dão conta que desde o início do ano e até hoje registaram-se 5.560 incêndios rurais, que provocaram 20.379 hectares de área ardida, 52% dos quais em matos, 40% em povoamentos florestais e 8% em espaços agrícolas.


Comparando estes dados com o relatório do ICNF de 15 de julho de 2021, concluiu-se que até hoje a área ardida aumentou 65%, mais 8.256 hectares, e as ocorrências de incêndios subiram 30%, tendo deflagrado mais 1.297 fogos.


Os dados do ICNF mostram também que mais de um terço da área ardida deste ano foi queimado desde a passada sexta-feira, tendo os incêndios consumido desde então e até hoje 7.906 hectares (mais 38%).


O país esteve entre sexta-feira e domingo em situação de alerta devido ao risco de incêndio rural, tendo passado para contingência na segunda-feira, uma situação que se vai manter até às 23:59 horas de sexta-feira, mas que poderá ser prolongada caso seja necessário.


A declaração da situação de contingência foi decidida devido às previsões meteorológicas para os próximos dias, que apontam para o agravamento do risco de incêndio, com temperaturas que podem ultrapassar os 45º em algumas partes do país, segundo disse, no sábado, o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro.


A situação de contingência, que corresponde ao segundo nível de resposta previsto na Lei de Bases da Proteção Civil, é declarado quando, face à ocorrência ou iminência de acidente grave ou catástrofe, é reconhecida a necessidade de adotar medidas preventivas e ou medidas especiais de reação não mobilizáveis no âmbito municipal.


Devido à situação de risco, Portugal ativou o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e a Comissão europeia mobilizou, no domingo, dois aviões espanhóis para combater os incêndios no território português.


Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________