Monchique Intervém em Zonas com Elevado Perigo de Incêndio - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

quinta-feira, 28 de abril de 2022

Monchique Intervém em Zonas com Elevado Perigo de Incêndio

 


A Câmara de Monchique está a realizar intervenções em zonas com elevado perigo de incêndio para aumentar a resiliência em caso de fogos florestais e dar maior segurança às populações, trabalhos financiados pelo programa Condomínio de Aldeia.


Depois de o concelho serrano do distrito de Faro ter sido atingido, em 2018, pelo maior incêndio florestal na Europa nesse ano, a prioridade é agora a defesa dos aglomerados populacionais situados na área florestal de Monchique, a zona algarvia mais fustigada por fogos florestais nas últimas décadas.


Segundo explicou à Lusa o presidente da autarquia, Paulo Alves, as intervenções, que incidem em zonas de elevado perigo de incêndio, têm como objetivo a reconversão de áreas de mato, eucalipto e pinheiro através da plantação de espécies autóctones, como o medronheiro, sobreiro ou citrinos.


"É essa a intenção, tornar aqueles ambientes habitacionais mais seguros e mais resilientes aos incêndios, dando oportunidade também aos proprietários para, depois, reconverterem aquelas zonas", explicou, sublinhando que todas as áreas intervencionadas foram afetadas pelo incêndio de 2018 ou outros.


A primeira intervenção, já concluída, foi realizada no sítio do Montinho, abrangendo uma área de 21 hectares e seis proprietários, estando agora em curso trabalhos na Portela da Serenada e nas Corchas, num total de 18 hectares e 21 proprietários.


A Câmara de Monchique está ainda a preparar uma candidatura a mais três condomínios de aldeia nas zonas de Restolho da Aveia, Belém e Corgo do Vale, numa área total de 35 hectares repartidos por 75 proprietários, acrescentou o autarca.


Na prática, os trabalhos visam a execução de faixas de gestão de combustível em redor de aglomerados populacionais, através da retirada, sobretudo, de eucaliptos e arbustos invasores, como a acácia, para depois ali serem colocadas espécies que estão mais adaptadas ao clima mediterrânico.


Segundo explicou à Lusa a chefe de divisão de Desenvolvimento Rural da Câmara de Monchique, Sónia Martinho, nos locais em que os declives são acima de 25% estão a ser abertos terraços, ou seja, plataformas onde vão também ser plantadas espécies autóctones, ajudando a diminuir a velocidade de propagação em caso de fogo.


"Estas árvores, sendo autóctones, estão mais adaptadas ao nosso clima, que é seco, o clima mediterrânico. Já os sobreiros, eles próprios têm uma autoproteção aos incêndios, que é a cortiça, e podemos dizer que estão mais adaptadas a este local e que terão mais resiliência também a um incêndio", referiu.


No entanto, igualmente importante é o modo como as espécies estão a ser plantadas e como futuramente se conseguirá manter esta gestão, notou, lamentando que as áreas agrícolas não estejam contempladas no programa, financiado por verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) através do Fundo Ambiental.


"Era muito importante conseguirmos estender este programa e abri-lo para outros aglomerados, principalmente os que têm mais área agrícola, porque aí conseguiríamos uma gestão mais efetiva e um aumento da produtividade", sublinhou.


Segundo Sónia Martinho, o programa tem como critério de elegibilidade das candidaturas que a intervenção seja feita em áreas com mais de 60% de área florestal, pelo que já restam em Monchique poucos aglomerados com essa característica.


Em declarações à Lusa, o diretor regional de Agricultura do Algarve, Pedro Valadas Monteiro, considerou que a atividade agrícola é "fundamental" para que estas áreas se tornem mais resilientes ao fogo, desde logo, porque é mais uma atividade geradora de rendimento.


"Sabemos que um dos condicionantes à produção florestal, estamos a falar de espécies de crescimento lento, é que o rendimento demora décadas, e com pequenas hortas e pomares o produtor agroflorestal tem uma oportunidade de rendimento intercalar", observou.


Por outro lado, acrescentou, a existência de áreas agrícolas obriga à limpeza dos terrenos, porque interrompe o contínuo florestal, no caso de ocorrer um incêndio, além do facto de a agricultura exigir mais atenção por parte dos proprietários, que "vão lá mais vezes e, ao estarem lá, limpam e estão mais vigilantes a qualquer ignição".


Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________