Incêndio Mata 120 Mil Galinhas em Leiria - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

sábado, 16 de abril de 2022

Incêndio Mata 120 Mil Galinhas em Leiria

 


Prejuízo estimado em mais de milhão de euros. Chamas foram combatidas por 73 bombeiros de quatro concelhos.


Um incêndio em dois pavilhões de uma exploração avícola, localizada em Penedo, no concelho de Leiria, causou, ese sábado, a morte de 120 mil aves e um prejuízo superior a um milhão de euros. A convicção é de Sandro Ferreira, presidente da União de Freguesias de Souto da Carpalhosa e Ortigosa, que esteve no local.


Sandro Ferreira disse ao JN que as chamas destruíram por completo dois dos quatro pavilhões da Aviferreira, construídos "há dois ou três anos". Apesar de desconhecer as causas do incêndio, garantiu que não havia ninguém no interior das instalações quando começaram a arder. "Pode ter havido um curto-circuito", admitiu. A GNR esteve no local a fazer averiguações.


O autarca disse, ainda, que a maioria dos funcionários da exploração avícola vive na união de freguesias, o que o deixou apreensivo pelo impacto que pode ter nas suas vidas. Preocupados ficaram também os moradores do Souto da Carpalhosa, quando se aperceberam da coluna negra de fumo na Aviferreira.


Proteger a floresta


"As pessoas começaram logo a regar as suas coisas", revela Sandro Ferreira, com receio de que as chamas pudessem chegar às habitações, a cerca de 200 metros de distância. Empenhado em impedir que isso sucedesse, Custódio Figueiredo, comandante dos Bombeiros Voluntários do Souto da Carpalhosa, deu indicações aos 73 operacionais no terreno para darem prioridade à "defesa perimétrica dos outros dois pavilhões e da parte florestal", constituída sobretudo por eucaliptos.


"O combate foi difícil, porque a carga térmica era muito grande e a estrutura metálica foi toda tomada", contou ao JN o comandante Custódio Figueiredo. O incêndio foi, assim, combatido a partir do exterior dos pavilhões, entre as 13.11 e 15.17 horas, quando entrou em "fase de resolução".


Estiveram envolvidos no combate às chamas corporações de bombeiros dos concelhos de Leiria, Batalha, Marinha Grande e Pombal, apoiadas por 26 viaturas. "Foi um dos incêndios mais difíceis de combater da minha vida", assegurou Custódio Figueiredo, que tem 30 anos de experiência.


Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________