Bombeiros de Alenquer Suspendem Toque da Sirene por Respeito a Refugiados - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

quarta-feira, 16 de março de 2022

Bombeiros de Alenquer Suspendem Toque da Sirene por Respeito a Refugiados

 


Os bombeiros de Alenquer suspenderam hoje o toque da sirene que assinala as 12h00 para que os deslocados ucranianos recém-chegados não o associem ao som da sirene indicativo de eventuais ataques armados e do consequente recolhimento obrigatório.


Em nota de imprensa, o município de Alenquer informou hoje que as corporações de bombeiros de Alenquer e da Merceana, bem como as respetivas secções de Olhalvo e da Abrigada, durante trinta dias, têm "suspenso o habitual toque das sirenes que assinala o meio-dia, por respeito e solidariedade para com os refugiados ucranianos recém-chegados ao território".


"A nossa realidade convive com as sirenes ao meio-dia, diariamente, mas foi-nos relatado um momento menos bom, após o toque da sirene, em que duas crianças refugiadas não reagiram da melhor maneira. Foi esse o clique que nos fez pensar e executar esta proposta", explicou o comandante municipal da Proteção Civil, Rodolfo Baptista, citado numa nota de imprensa.


Nos cenários de guerra, o toque da sirene alerta para um eventual ataque e para a necessidade de recolhimento obrigatório pelos civis.


"Com a suspensão do toque das sirenes, os serviços municipais de Proteção Civil visam proporcionar algum sentido de paz e tranquilidade aos refugiados ucranianos, dissociando este som das experiências traumáticas que os assolaram nas últimas semanas em função do conflito armado que decorre no país de origem", é referido.


Segundo o município, chegaram a concelho do distrito de Lisboa pelo menos 40 refugiados, entre mulheres e crianças, que foram acolhidos por familiares que residem no território.


Fonte: Lusa

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________