“Os Bombeiros São Mais Que Bombeiros” - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

“Os Bombeiros São Mais Que Bombeiros”

 


Entrou pela primeira vez num quartel de bombeiros em 1989, no Fundão, e a partir daí percebeu que ajudar o próximo, salvar vidas e combater incêndios era o que realmente queria fazer. Nelson Antunes nasceu no Fundão em 1977, licenciou-se em Proteção Civil pelo Instituto Politécnico de Castelo Branco e tornou-se mestre em Dinâmicas Sociais, Riscos Naturais e Tecnológicos pela Universidade de Coimbra. Formador externo da Escola Nacional de Bombeiros (ENB) desde 2002, iniciou em 2013 funções como técnico docente na ENB na área da Emergência Pré-hospitalar (TAS, TAT e SBV/DAE). Mais tarde, em 2015, tornou-se coordenador no Centro de formação de S. João da Madeira, acumulando funções com a de coordenador da Área Técnica de Incêndios Urbanos e Industriais.

 

Sempre foi um objetivo seu tornar-se bombeiro?
Penso que sim, recordo-me bem do dia quando em 1989 entrei no quartel dos bombeiros do Fundão e perguntei se podia ser bombeiro. Não tendo laços familiares, nem pessoas conhecidas, foi o Ajudante de comando José Correia (na altura) que me fez as perguntas e me direcionou. A partir daí nunca mais larguei essa vida. Comecei como cadete, cresci, aprendi, ensinaram-me a ser bombeiro e a apaixonar-me por ajudar o próximo, conviver nesta família, salvar vidas e combater incêndios. Em 1998 com a chegada a Coimbra, pedi transferência para os Bombeiros Voluntários de Coimbra, onde ainda hoje me mantenho, aos quais tenho orgulho de pertencer e a quem quero agradecer e enviar um forte abraço pelo apoio, dedicação, altruísmo e coragem que têm demonstrado.

 

Enquanto coordenador do Centro de Formação em Incêndios Urbanos e Industriais de S. João da Madeira, quais os principais desafios que identifica no futuro próximo? 
Enquanto coordenador do centro, gostaria que o próximo desafio fosse a Especialização do centro de formação. Neste momento, temos condições para este desafio e temos trabalhado em conjunto com a Direção para que este objetivo se concretize em breve. Apesar de tudo, é importante continuar a melhorar os simuladores existentes, as condições estruturais e apostar na capacitação e qualificação dos formadores internos e externos. O planeamento prevê um grande volume de formação para os bombeiros portugueses, temos praticamente todas as semanas ocupadas com formação e, portanto, vai ser um ano desafiante para o centro de formação. Importa realçar que a equipa humana do centro é extraordinária: formadores, assistentes, cozinheiras e funcionária de limpeza fazem um trabalho articulado que me orgulha e que é reconhecido por quem nos visita.
Enquanto coordenador da área técnica, os desafios são ainda maiores. Temos trabalhado arduamente em materiais pedagógicos e no processo de atualização da área técnica, muito para apoio aos formadores externos que têm sido a solução a nível nacional para formar os bombeiros de Portugal. Para eles também o meu obrigado pelo trabalho que fazem e pelo ensino que transmitem aos bombeiros. Queremos continuar a desenvolver novos materiais, seja através de vídeos temáticos, seja de textos de apoio e é claro rever e atualizar o manual de Combate a incêndios urbanos.

 

Os bombeiros estão bem preparados no âmbito da resposta aos incêndios urbanos?
Sim, estão. No entanto, todos os dias podemos melhorar essa resposta. No último ano, retomou-se a formação pelo país e realço não só a formação já ministrada anteriormente, como a formação de capacitação das EIP. É importante continuar a apostar na formação externa porque, além de necessária, fomenta o conhecimento, a competência e a uniformização, mas, depois é fundamental que continue a instrução e o treino no corpo de bombeiros. Como costumo dizer, se treinarem como se fosse um cenário real, então quando for real, é como se estivessem em treino.

 

Tem algum hobbie com que ocupa os tempos livres? 
Como a minha esposa diz, tenho um hobbie muito caro!!! Apesar do meu trabalho ser a prioridade, tenho por hábito dedicar-me de corpo e alma aos desafios que abraço, e por isso desde que assumi a função de comandante, deixei de ter tempo para qualquer hobbie. Antes jogava futebol, andava de bicicleta e adorava visitar com frequência a família e os amigos. Agora, não sei se se pode considerar hobbie, mas sim um trabalho voluntarioso que, tal como eu, muitos elementos de comando têm pelo país e que no nosso caso, não seria possível exercer sem o total apoio e dedicação do meu 2º Comandante Mário Nobre e Adjuntos Francisco Braga e Ricardo Domingos. São eles a base e o sucesso deste comando.

 

Como vê o futuro dos bombeiros em Portugal? 
Os bombeiros são mais que bombeiros. São o suporte da estrutura de proteção civil, são a família da população, são pais, mães e filhos que profissionalmente e voluntariamente dão o seu melhor pelo seu país, todos os dias há mais de 600 anos. É necessário olhar para os bombeiros como uma força que tem que ter na sua base uma estrutura profissional de resposta imediata, suportada por um reforço voluntário dotado de competência e conhecimento. Por isso, sou da opinião que perante os cenários que tivemos que combater nos últimos anos, foram sempre os bombeiros que estiveram lá de início ao fim. É, portanto, necessário reavaliar quais as prioridades do país e colocar em prática os objetivos do futuro dos bombeiros. E de uma vez por todas reconhecer que são uma estrutura inegável na segurança do país, quer na prevenção, na sensibilização e formação, no combate a incêndios e no pré-hospitalar.

 

 

 

Conselhos e recomendações – Incêndios urbanos

 

    Salvar mas em segurança

 

A missão dos bombeiros envolve sempre algum risco e como tal todas as operações devem ser executadas de forma racional, inteligente, planeada e segura.

Um dos aspetos mais importantes no trabalho dos bombeiros é a segurança, pelo que importa referir que devemos analisar permanente os riscos tendo em conta os benefícios operacionais para que se trabalhe dentro de um risco aceitável. Logo, gostaria de recordar que os bombeiros devem estar preparados Física e Psiquicamente, devidamente equipados com Equipamento de Proteção Individual e terem Conhecimento e Competência para o desempenho da função.

No reconhecimento tenham sempre em atenção o desenvolvimento dos incêndios, pois estes têm uma propagação cada vez mais rápida e um desenvolvimento violento, muito devido aos materiais existentes no interior.

Estes materiais libertam os mais diversos produtos tóxicos quando em combustão e por outro lado existem cada vez mais equipamentos e veículos que recorrem a energias alternativas e baterias, por isso gostaria de recordar para não descurarem o uso do Aparelho Respiratório no interior, mas também no exterior.

Outro aspeto a reter é que esta exposição às substâncias altamente tóxicas no local do incêndio é prejudicial para a saúde, devendo dentro da necessária atividade operacional ser reduzido o contacto e não sendo possível fazer a descontaminação no local, que na chegada ao quartel garantam a limpeza e descontaminação do EPI para que se removam os contaminantes químicos e biológicos.

Em relação aos ARICAS, gostaria também de relembrar alguns pormenores que poderão contribuir para uma melhor segurança e saúde dos operacionais. Verifiquem periodicamente os ARICAS, façam uma manutenção programada dos principais componentes do aparelho respiratório e seus constituintes de acordo com a indicação do fabricante, troquem o ar respirável das garrafas idealmente a cada seis meses ou façam a monitorização do ar. Garantam ainda a realização das provas hidráulicas das garrafas de ar comprimido, sendo que devido ao trabalho desenvolvido pelos bombeiros, a ENB recomenda que as provas sejam feitas a cada cinco anos nas garrafas de aço e a cada três anos nas de materiais compósitos.


ENB

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________