Novo Presidente da LBP Defende Continuidade dos Bombeiros Voluntários - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

domingo, 13 de fevereiro de 2022

Novo Presidente da LBP Defende Continuidade dos Bombeiros Voluntários

 


O novo presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) defendeu que os bombeiros voluntários vão continuar a existir, apesar de ter admitido que há uma crise no voluntariado, sendo por isso necessário criar mais incentivos.


Em entrevista à agência Lusa, um mês após ter assumido a presidência da LBP, António Nunes admitiu que existe uma crise no voluntariado, mas que não é um problema apenas dos bombeiros.


No entanto, ressalvou que esta crise no voluntariado não está a condicionar o funcionamento nos bombeiros.


Segundo a LBP, atualmente há cerca de 30.000 bombeiros voluntários inscritos nas associações humanitárias, 15.000 na reserva e outros 15.000 no quadro de honra, o que totaliza cerca de 60.000 pessoas.


"Há uma crise [de voluntariado], nós gostávamos de ter mais. Por isso é que é necessário trabalhar os incentivos ao voluntariado", sustentou, dando como exemplo, chamar crianças para as escolas de cadetes e infantes dos bombeiros, compensar as entidades patronais que empregam voluntários, aumentar os valores dos seguros, pagamento de propinas, creches e passes sociais.


António Nunes disse que os incentivos ao voluntariado devem ser iguais em todas as regiões do país.


Dos cerca de 30.000 bombeiros voluntários no ativo, cerca de 10.000 são trabalhadores das associações humanitárias e fazem parte das equipas de intervenção permanente, do transporte de doentes não urgentes e das ambulâncias do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).


O presidente da LBP defendeu também que as corporações devem ter um sistema misto, entre profissionais e voluntários, sistema que existe atualmente.


"Portugal do ponto de vista da cobertura geral não está muito mal e se calhar tem padrões ao nível da Europa", considerou, referindo que não se deve acabar com o voluntariado nos bombeiros.


"Não acho por duas razões. A primeira diz respeito à alma do povo. Assistimos muitas vezes, mesmo aqueles que não são bombeiros, que quando existe algum acidente vão ajudar. O povo português gosta de ajudar, tem esse princípio, está na sua génese, está no seu ADN e, portanto, eu acho que todos aqueles que, ao longo dos anos, e muitos estão vivos, que deram o seu melhor aos bombeiros voluntários e que hoje se isso acontecesse teriam uma mágoa muito grande. Essa é uma razão que diria histórica, de ADN do povo português e de relação da sociedade e dos valores da sociedade que o povo português sempre cultivou. A segunda razão é económica", disse.


António Nunes explicou que Portugal não é um país rico e profissionalizar todos os bombeiros teria um custo muito elevado.


"É só fazerem as contas. Certamente que os bombeiros voluntários vão continuar a existir", estimou, frisando que devem existir equipas de bombeiros profissionais, mas não na totalidade.


António Nunes tomou posse como presidente da LBP no passado dia 08 de janeiro, sucedendo no cargo a Jaime Marta Soares que estava no cargo há 12 anos.


Fundada em 1930, a LBP é a Confederação das associações e corpos de Bombeiros voluntários ou profissionais, e tem 465 associados.


Lusa

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________