Médico do INEM que Recusou Transporte de Doentes Graves foi Suspenso pela Ordem - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

Médico do INEM que Recusou Transporte de Doentes Graves foi Suspenso pela Ordem

 


O médico do INEM que terá recusado transportar de helicóptero três doentes em estado grave foi suspenso pela Ordem dos Médicos. O despacho, a que o semanário Expresso teve acesso, avança que António Peças mostrou “indiferença” perante a saúde dos doentes. O médico reafirma que não cometeu qualquer falha ética.


O caso remonta a 2017, quando António Peças era responsável pelo serviço de helicópteros do INEM em Évora. Durante esse ano, o médico recusou por três vezes o transporte de pacientes em estado grave. Uma das pacientes em questão acabou por morrer.


A Ordem dos Médicos decretou a suspensão do profissional de saúde pelo período de um ano. No despacho de suspensão, citado pelo Expresso, é referido que as atitudes de António Peça foram “eticamente muito censuráveis” e “contrárias à deontologia médica“. Consideram que a repetida recusa de transporte aconteceu “sem justificação” e em situações em que os doentes “se encontravam em estado grave e era imperiosa a sua transferência para hospitais mais diferenciados“.


“O médico parece ter pensado mais na sua comodidade pessoal do que no interesse dos doentes, revelando uma enorme indiferença pela saúde destes ou, na melhor das hipóteses, uma flagrante incapacidade para avaliar a gravidade do estado dos doentes“, conclui o despacho.


Além da suspensão, António Peças enfrenta também um processo de investigação criminal que corre no DIAP de Évora. Ao Expresso, o Ministério Público confirmou a existência de um processo que “está em fase de investigação, decorrendo diligências de recolha de prova pessoal e documental”.


Fonte: SIC Noticias 

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________