Bombeiros de Penamacor com Dificuldades para Garantir Serviços - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

sexta-feira, 17 de dezembro de 2021

Bombeiros de Penamacor com Dificuldades para Garantir Serviços

 


Direção da Associação garante que ninguém no concelho ficou sem resposta, mas o JF sabe que já foi necessário acionar corporações dos concelhos vizinhos


Além de estarem sem comandante há mais de um ano, os Bombeiros de Penamacor também têm estado a registar dificuldades para assegurar todos os serviços de socorro devido à falta de profissionais qualificados para assegurar as escalas 365 dias por ano, 24 horas por dia. Os problemas estarão a ocorrer essencialmente ao fim de semana e feriados e o JF sabe que já foi necessário acionar meios de concelhos vizinhos, nomeadamente no último fim de semana. A direção da Associação garante que a situação do comandante está prestes a ser resolvida e não confirma os problemas ao nível dos serviços, sublinhando que ninguém no concelho ficou sem resposta.


“O importante é que ninguém no concelho ficou sem resposta. Se existiu alguma questão, certamente que foi pontual e que foi resolvida”, disse, ao JF, o presidente da direção dos Bombeiros, António Luís Beites.


Todavia, o JF sabe que o problema estará relacionado com a “escassez de recursos humanos”, dado que a corporação só tem 12 elementos qualificados para assegurar os serviços de ambulâncias, o que é insuficiente para as necessidades, principalmente quando alguém entra de férias.


“Uns dias consegue-se outros não e é por isso que têm de avançar urgentemente para a profissionalização de mais elementos”, disse ao JF uma fonte dos bombeiros.


Em contrapartida, António Luís Beites recusou pronunciar-se sobre o que classificou de “questões operacionais”.


Questionado sobre se tem conhecimento de que já foi necessário acionar corporações vizinhas, António Luís Beites garante que, a ter acontecido, essa é uma “situação normal” porque o sistema funciona em rede. “Nós também somos chamados para serviços noutras localidades”, explicou.


Frisou que os Bombeiros têm sempre uma equipa de prevenção, mas também ressalvou que de cada vez que é realizado um serviço para a Covilhã ou para Castelo Branco, tal implica que uma equipa fique fora “duas a três horas, no mínimo”.


Sobre o comandante, adiantou que a situação deverá ser resolvida em breve, uma vez que Bruno Jesus foi indigitado pela direção e já está inscrito para a formação de quadros de comando de bombeiros, estando a aguardar que o próximo curso abra.


Enquanto isso, as funções são asseguradas por Luís Cruz, que é o bombeiro mais graduado da corporação. Contactado pelo JF, este bombeiro não se quis pronunciar sobre as alegadas dificuldades para preencher a escala, frisando que os serviços são assegurados pelos profissionais da associação e que as questões dos profissionais são uma competência da direção.


Igualmente contactado pelo JF, o comandante distrital operacional da Proteção Civil, Francisco Peraboa, explicou que “é responsabilidade da associação garantir os protocolos com as entidades externas, nomeadamente o INEM” e apontou que a operacionalidade não será posta em causa porque se houver limitações de uma corporação é acionada outra.


Jornal do Fundão

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________