Incêndio Destrói Pavilhão da Escola Nova na Póvoa de Varzim - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

quinta-feira, 4 de novembro de 2021

Incêndio Destrói Pavilhão da Escola Nova na Póvoa de Varzim

 


Um violento incêndio destruiu por completo, na madrugada desta quarta-feira, o pavilhão da Escola Nova, na Póvoa de Varzim.


O espaço, contíguo à escola do 1.º Ciclo, servia de ginásio, sala de apoio ao estudo e espaço para atividades e reuniões. Tinha sido inaugurado há um ano. A "Nova" continua a funcionar normalmente, mas, nos próximos meses, as aulas de educação física dos 170 alunos terão que voltar a ser praticadas no coberto ou ao ar livre.


"Só ficaram as paredes e o telhado. Foram os vidros, as caixilharias, todo o material que estava guardado lá dentro, mesas, cadeiras, armários", explicou, ao JN, o vereador da Educação da Câmara da Póvoa, Luís Diamantino, que, logo às primeiras horas da manhã, esteve na escola, com direção e Associação de Pais, a avaliar os danos.


O alerta para o incêndio caiu no quartel dos Bombeiros da Póvoa pouco depois das 4 horas. À chegada ao local, já o pavilhão estava completamente tomado pelo fogo. A preocupação foi evitar que as chamas se propagassem ao edifício das salas de aula.


O comandante dos Bombeiros, Francisco Nova, admite que o quadro elétrico ficou "totalmente destruído", por um curto-circuito poderá ter estado na origem do incêndio. Ainda assim, a PSP esteve no local e só as perícias poderão, agora, ajudar a identificar as causas.


Luís Diamantino diz que os arquitetos responsáveis pelo projeto já estiveram na escola. Agora, acrescenta, "é arregaçar as mangas, preparar um caderno de encargos, lançar a obra e refazer o pavilhão o mais rápido possível".


O pavilhão custou mais de 300 mil euros e tinha sido inaugurado em setembro de 2020. Tinha sido uma promessa da Câmara, sensível aos apelos da comunidade escolar, que se queixava da falta de um espaço fechado para a prática de educação física e de outras atividades extracurriculares.


Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________