Bombeiros de Leiria a "Ferro e Fogo" com Processos Disciplinares - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

terça-feira, 21 de setembro de 2021

Bombeiros de Leiria a "Ferro e Fogo" com Processos Disciplinares

 


Vinte e oito bombeiros dos Voluntários de Leiria (BVL), a maioria associada ao quartel da 6º companhia, no sul do concelho, aguardam há mais de dois meses pela decisão de um processo disciplinar. 


Três deles estão suspensos preventivamente de funções por 60 dias, prazo que termina no fim do mês, e impedidos de entrar no quartel, sendo que poderão vir a ser demitidos. 


Os restantes aguardam o resultado do processo instaurado que, na situação mais gravosa, pode resultar na suspensão de funções até 180 dias. 


Se tal acontecer, o quartel, localizado em Cardosos, corre o risco de fechar e ver impossibilitado o socorro à população.


Na origem destes processos está um abaixo assinado, subscrito por 28 elementos, onde pedem para renegociar os valores propostos pelo comandante e a direção da Associação Humanitária dos BVL do pagamento referente ao Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais 2021. 


Durante o período de verão, a Autoridade Nacional de Proteção Civil atribui uma verba no valor de 57 euros dia, por bombeiro, para reforçar as equipas. 


No entanto, como em 2020, a Associação entendeu que não iria fazer esse reforço e o valor seria dividido por todos os elementos, recebendo cada um 20 euros durante o dia e 5 euros se efetuasse serviço à noite.


No documento, os voluntários propuseram renegociar a verba para 35 euros no período diurno e 10 no período noturno. 


Fonte ligada ao processo explicou ao REGIÃO DE LEIRIA que a medida foi recebida pelo comandante e pela direção da AHBVL como uma afronta e, convocados para uma reunião, em julho, os voluntários foram acusados de “mercenários e pouco solidários”.


A resposta gerou uma “insatisfação muito grande” entre os voluntários que avançaram com o pedido de passagem ao quadro de reserva. 


Até ao fecho de edição, a decisão ainda não tinha sido validada pelo comandante. 


E após a reunião, quem subscreveu o documento foi notificado da instauração de um processo disciplinar que também, até ao fecho desta edição, ainda não viu aplicada qualquer decisão.


“Somos voluntários por amor à causa, durante o ano inteiro. O pouco que ganhamos é no verão e procurámos explicar que era preciso aumentar a capacidade operacional ou então reforçar o esforço que todos os voluntários fazem para deixar as famílias e amigos, não gozar férias, e estar de serviço a combater. 


Quando sofre um abalo destes [processo disciplinar] é complicado”, afirma um dos bombeiros a quem foi aplicada a nota de culpa. “Não somos nós que estamos mal, mas somos nós que vamos desfalcar as nossas freguesias e comprometer o socorro à família e amigos”, acrescenta outro bombeiro.


Contactado, o comandante dos BVL Miguel Novais diz que o assunto é “uma questão interna” e não faz comentários.


Fonte: Região de Leiria

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________