Madeira Viveu "Situação Anormal", Houve 20 Mil Relâmpagos em 24 Horas - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________

domingo, 28 de março de 2021

Madeira Viveu "Situação Anormal", Houve 20 Mil Relâmpagos em 24 Horas

 


O grande temporal que se abateu sobre a Região Autónoma fez 20 desalojados, que correspondem a seis famílias. Não há vitimas, nem danos pessoais a registar.


A Madeira viveu no sábado uma "situação anormal" com 20 mil descargas atmosféricas na região, ou seja relâmpagos, e muitos deles atingiram o território. A situação foi descrita pelo presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, que assim justificou os dois apagões que a ilha viveu nas últimas horas.


Dois dos 20 mil raios atingiram a ligação de eletricidade entre a Vitória e a Calheta, provocando a interrupção da eletricidade, durante a noite de sábado entre as 20h40 e as 23h00. Já este domingo, um novo raio (que atingiu a ligação entre Vitória e Palheiro Ferreira) fez com que a não houvesse energia durante 2h30, entre as 6h42 e as 9h15.


"Um raio com esta carga é quase equivalente ao abastecimento da região", disse Miguel Albuquerque, num balanço da intempérie aos jornalistas.


Em resultado do mau tempo, o mesmo líder do Governo Regional, anunciou ainda que há 20 desalojados, que pertencem a seis agregados familiares, e que entretanto foram realojados na Pousada da Juventude da região.


Albuquerque disse tratarem-se de situações de "casas precárias", na zona de Santa Maria, e em que as infiltrações nos tectos levaram a por precaução tirar as pessoas das habitações em que vivem.


O líder do Governo rotulou a tempestade de "temporal muito forte", o que levou a que a Proteção Civil fosse chamada a intervir em 117 ocorrências, a maior parte no Funchal, cidade em que e registou também o maior índice de pluviosidade (23.8 mm).


Segundo as autoridades locais as ribeiras "aguentaram bem", apesar de alguns "pequenos ribeiros transbordarem".


Ainda assim, Miguel Albuquerque voltou a pedir à população para não circular, e a ficar em casa, porque devido à grande carga de água, "há zonas que podem desabar".


Com exceção do aviso meteorológico amarelo para Porto Santo, devido a risco de trovoada até as 12h00 e de aguaceiros até às 15h00, por vezes fortes, o resto do arquipélago está hoje sob aviso laranja do IPMA até as 12h00, devido a chuva e trovoada, um nível de alerta acima do amarelo, e às 15h00 todo o arquipélago regressa a aviso amarelo devido à previsão de aguaceiros fortes e trovoada.


Fonte: Renascença

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________