A Crónica da Ariana: Servem para o Covid, mas Não Servem para o Resto... - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 21 de março de 2021

A Crónica da Ariana: Servem para o Covid, mas Não Servem para o Resto...

 


A palavra desta semana é Economia.


Não, não precisam de ajustar os vossos monitores, e não, não fritei a pipoca de vez. E para aqueles que estarão a pensar isso, não, não me tornei subitamente uma expert em macroeconomia e não venho aqui revelar o segredo para ganharem rios de dinheiro.


Esta semana vamos falar de quanto uma pandemia muda a economia.


Numa publicação anterior já falei do impacto que a pandemia teve nas pequenas empresas e negócios, que vivem (ou viviam) da mão para a boca e a forma como as pessoas que eram esses negócios viram a sua vida virada do avesso e tiveram de se lançar a novos rumos para sobreviver.


Esta semana vamos falar da ponta oposta do problema. Vamos falar das pessoas que, de algum modo estão a ver os seus empregos a sumir tão depressa como o número de novos casos e as restrições somem.


Estamos a falar de pessoas que já estavam à procura de emprego antes da pandemia começar e que foram absorvidas pelo súbito aumento da procura de profissionais relacionado com a maior necessidade de prestação de cuidados de saúde.


Estas pessoas que já viam a sua vida precária e que, após uns meses de estabilidade e da esperança de um futuro melhor, se veem agora “despejadas” à medida que o mundo regressa (esperamos nós) à normalidade.


Pessoas que esperavam que este sacrifício e este esforço pudesse ser uma porta para uma vida em que não tivessem a nuvem da incerteza a pairar sobre as suas vidas e que, quer por falta de sinceridade superior quer por recusa em aceitar a realidade iminente, se veem agora, de novo, à procura de algo num panorama económico globalmente frágil e ainda mais incerto.


Ao fim de um sacrifício hercúleo, o seu destino é o abandono. O abandono porque não há como os absorver numa realidade onde deixam de existir necessidades extraordinárias.


Esta era a altura em que fazia uma piada para me despedir. Mas esta semana não. Esta semana deixo-vos só a pensar. Apreciem o que têm e o que podem perseguir. E, se puderem, não hesitem em ajudar quem se quer apenas erguer.


Ariana Ribeiro

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________