Apenas 25% dos bombeiros do Minho vão ser já vacinados. Como escolhem os comandantes? - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

Apenas 25% dos bombeiros do Minho vão ser já vacinados. Como escolhem os comandantes?

 


O Ministério da Administração Interna anunciou hoje que cerca de 15.000 bombeiros vão começar a ser vacinados na quinta-feira, neste que é o arranque de uma nova fase de vacinação a nível nacional. No entanto, O MINHO sabe que apenas 25% dos elementos que compõe cada corporação serão vacinados, e não os 50% que estavam inicialmente previstos.


A informação está a ser avançada ao longo do dia de hoje aos comandos das diferentes corporações dos distritos de Braga e de Viana do Castelo, apanhando os responsáveis de surpresa, pois já tinham selecionado os tais 50% e agora vêem o número cair para metade.


O MINHO falou com alguns comandantes de corporações de bombeiros para perceber como é que, dentro de um quartel, se consegue selecionar apenas um quarto dos elementos sem que os restantes três quartos se sintam ‘postos de lado’. Todos concordam que a tarefa não foi fácil e há quem não queira ser vacinado antes de todos os outros.


Primazia aos mais velhos em Fafe


Em Fafe, o comandante Paulo Ferreira já tem selecionados os 25% que começam a ser vacinados no próximo sábado, segundo indicações da autoridade de saúde. Apesar de existir uma diretiva nacional da Autoridade da Proteção Civil, onde a idade não é contemplada, o comandante irá dar primazia a que os mais velhos entrem já na vacinação.


“Os primeiros 25% vão ser vacinados este sábado, ou seja, 22 bombeiros. Optámos por escolher primeiro os profissionais que andam dia-a-dia no terreno, que são cerca de 30. Oito vão ficar de fora, mas segundo as autoridades de saúde, os restantes 25% vão ser vacinados já durante a próxima semana”, esclarece.


Ou seja, 22 neste sábado e 21 para a próxima semana, completando os 50%. Ao todo, o corpo ativo dos Bombeiros de Fafe tem cerca de 65 bombeiros.


Depois dos 30 profissionais estarem vacinados, Paulo Ferreira pretende incluir na segunda ronda os voluntários com mais idade, vacinando desde os que têm 60 anos até aos que têm 20, que ficam para último.


“É mais complicado um homem de 60 anos ligado ao ventilador do que um de 20”, disse, para fundamentar a decisão.


Bombeiros que já estiveram infetados vão ser vacinados?


Em Amares, não conseguimos obter declarações do comando, mas sabemos que começam a ser vacinados nesta sexta-feira.


Vão ser 18 inicialmente, e os outros 18 devem ser vacinados durante as próximas semanas. O critério será idêntico, primeiro os assalariados que estão no quartel todos os dias. Ao todo, o corpo ativo tem 72 elementos.


No entanto, e uma vez que aquela corporação já foi bastante afetada por surtos de covid, com vários elementos infetados na primeira vaga da doença, persiste a dúvida sobre se esses já recuperados também devem ser incluídos no plano de vacinação para bombeiros. Essa dúvida, aliás, persiste em várias corporações minhotas.


Em Vila Verde, também não conseguimos falar com o comando, mas sabemos que o processo de escolha foi influenciado pelas diretivas da Autoridade Nacional. Primeiro os bombeiros que fazem serviço de emergência pré-hospitalar, depois os que fazem transporte de doentes não-urgentes, e depois os que compõe a Equipa de Intervenção Permanente.


“Comandante é soberano na decisão”


Em Vizela, por sua vez, Paulo Félix, comandante, também selecionou para a primeira dose de vacinas os elementos que são funcionários a tempo inteiro no quartel. Depois, o factor idade também irá ser decisivo, como em Fafe.


Segundo explicou o responsável a O MINHO, apesar dos critérios emanados pelas autoridades, o comandante “é soberano sobre a decisão”. “Vizela está a utilizar o critério dos funcionários todos, e imediatamente a seguir todos os restantes voluntários, do mais velho até ao mais novo”.


Paulo Félix acrescenta que “houve uma ou outra exceção para bombeiros mais jovens, justificada por terem doenças de risco associadas”.


A partir de sábado, vão ser vacinados 35 elementos – 20 profissionais e 15 voluntários. “A garantia que tenho do ACES do Alto Ave é que na próxima semana os restantes 25% que estavam inicialmente previstos também vão ser vacinados”.


O corpo ativo de Vizela é um dos maiores do distrito e conta com 140 elementos.


Elementos do comando vacinados em último


No Alto Minho, o número a ser vacinado já neste fim de semana é idêntico ao do distrito de Braga (25%).


Carlos Lima, comandante dos Bombeiros de Ponte de Lima, disse a O MINHO que cerca de 32 elementos vão ser vacinados já neste fim de semana. No total, o corpo ativo é composto por 130 elementos, divididos em dois quartéis (Ponte de Lima e Freixo).


“Nós vamos seguir a diretiva emanada, ou seja, primeiro os profissionais de emergência, de transporte de doentes e das equipas covid. Se ainda assim sobrarem elementos no grupo de 50%, vamos distribuir por outros que cumpram os critérios prioritários”, disse o comandante, sem especificar no entanto quais são.


Carlos Lima deixou claro que não concorda com este método de vacinação intermitente e diz que quer ser o último a ser vacinado: “Não concordo com o sistema adotado, e por isso só serei vacinado depois de todos os outros bombeiros da corporação”, disse, adiantando também que o mesmo exemplo vai ser seguido pelo segundo-comandante José Cruz.


Injustiça para com os voluntários


Quem também se mostrou insatisfeito com esta seleção inicial de apenas 25% foi o comandante José Freitas, de Ponte da Barca. De acordo com o responsável, em declarações a O MINHO, há muitos voluntários que asseguram o socorro, pelo que estar a priorizar os profissionais acaba por ser injusto naquela corporação.


“Se há um acidente ou um desencarceramento temos de recorrer aos voluntários. Se são precisas muitas ambulâncias, temos de recorrer aos voluntários. E as vacinas não dão para todos”, desabafou.


No entanto, optou pelos profissionais nestes primeiros 25%, mas ressalvou que é “uma injustiça porque o corpo ativo precisa dos voluntários e alguns podem ficar descontentes e recusarem o serviço, e acho que isso é legítimo”, finalizou.


Segundo o MAI, em comunicado a que O MINHO teve acesso, a definição para vacinar estes 15.000 bombeiros (25% de cada corpo ativo) surge com base nos critérios operacionais da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e “abrange voluntários, sapadores e municipais”.


De acordo com o MAI, nesta primeira fase, no distrito de Braga, vão ser vacinados 910 bombeiros, enquanto que no Alto Minho são 347.


Fonte: O Minho

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________