Novo Parque Automóvel e Duas Viaturas Reforçam Operacionalidade dos Bombeiros - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Novo Parque Automóvel e Duas Viaturas Reforçam Operacionalidade dos Bombeiros

 


Depois de dois adiamentos, a cerimónia de comemoração do 44.º aniversário da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa (AHBVT) cumpriu-se, a 31 de outubro, com muito menos assistência e com regras suplementares, impostas pela pandemia de Covid-19.


Apesar dos constrangimentos, a direção da Associação Humanitária considera que conseguiu, com esta cerimónia, “honrar a memória” de “todos os que se envolveram com a instituição ao longo dos últimos 44 anos”. O dia ficou marcado pela inauguração de um novo espaço de parqueamento, que, aos poucos, se vai também transformar num museu da instituição.


“Este tipo de projeto ou se faz num determinado momento, ou então começa-se a perder equipamentos, que se deterioram. Agora, se calhar, não o teríamos feito se tivéssemos conhecimento da pandemia de Covid-19, mas quando foi pensado e arrancou não estávamos nesta situação sanitária”, explicou Luís Elias, presidente da AHBVT.


A obra, que custou “415 mil euros”, foi comparticipada pelo município em “20 por cento”, ou seja, cerca de 83 mil euros.


Para complementar o cabaz de aniversário, foram benzidas mais duas viaturas, uma ambulância que vai substituir a que estava no Posto de Emergência Médica (PEM), no valor de 55 mil euros – comparticipada pelo INEM em 50 mil -, e uma viatura florestal de combate a incêndios (VFCI), que ocupa o lugar do veículo, da mesma tipologia, danificado durante o combate a um fogo, em S. Mamede do Coronado, no passado verão. Este VFCI custou 79 mil euros, dos quais 45 mil foram suportados pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.


A direção da Associação Humanitária anunciou ainda a aquisição de mais duas viaturas, um veículo urbano de combate a incêndios e um veículo de apoio logístico, com capacidade para transportar 21 mil litros de água, que deverão estar operacionais “no primeiro trimestre do próximo ano”, num investimento de “240 mil euros”, revelou Luís Elias.


Com este reforço do parque automóvel, ficam colmatadas algumas lacunas da atividade operacional, mas há outras necessidades a satisfazer, relacionadas com o capital humano, salientou o comandante do corpo de bombeiros, João Pedro Goulart, que assume a importância de continuar a “motivar os jovens” e a “apostar na criação de novos cursos de instrução inicial para bombeiros”.


Durante a sessão solene, os discursos variaram entre mensagens para dentro e “recados” para fora. Luís Elias não deixou de se referir às vozes da discórdia que se fazem ouvir, essencialmente, nas redes sociais, frisando que não são as “areias na engrenagem” que vão fazer parar o motor da atividade da Associação Humanitária.


“O alvo já não é só o presidente ou o comandante, começa a ser a própria instituição e o próprio corpo de bombeiros. Quando isto acontece, as pessoas deviam meter a mão na consciência e pensar que, realmente, o que estão a fazer não é contra A ou B, mas contra uma instituição no seu todo”, referiu Luís Elias, que se recusa a responder no mesmo tom dos críticos, mas antes a ignorar as “provocações” que, na sua ótica, são “descabidas e com falta de sustentação”.


O presidente da AHBVT revelou ainda que a situação financeira da associação “é sólida, estável e sem problemas para um futuro próximo/longínquo”. “Hoje, dia 31, já todos os funcionários receberam o ordenado de outubro e os fornecedores o valor dos fornecimentos de setembro e, nalguns casos, de outubro”, garantiu.


As comemorações do 44.º aniversário da Associação Humanitária foram adiadas por duas vezes. A iniciativa, que normalmente acontece a 30 de setembro (dia do aniversário) ou no primeiro fim de semana de outubro, já havia sido adiada para 24 de outubro, devido à pandemia de Covid-19 e às obras do novo edifício da instituição. Acabou, novamente, por ser reagendada para 31 de outubro, devido ao isolamento profilático do executivo da Câmara Municipal da Trofa.


Fonte: O Noticias da Trofa

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________