"Risco de Morte" no Brasil Devido ao Calor - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 7 de outubro de 2020

"Risco de Morte" no Brasil Devido ao Calor

 


O centro-oeste brasileiro e o estado de Tocantis, no norte do país, estão sob "risco de morte por hipertermia" devido às elevadas temperaturas sentidas na região, alertou hoje o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) do Brasil.


O Inmet, órgão ligado ao Governo brasileiro, emitiu um alerta de "grande perigo", que vigorará até sexta-feira, devido ao risco de morte por hipertermia, ou seja, um aumento da temperatura corporal que ocorre quando o organismo produz ou absorve mais calor do que consegue dissipar.


O alerta é direcionado para grande parte da região centro-oeste, mais concretamente para as unidades federativas do Distrito Federal, Goiás e Mato Grosso, e para o estado do Tocantins, no norte brasileiro.


Segundo o órgão brasileiro, as temperaturas registarão cinco graus celsius acima da média na região sob alerta, por mais de cinco dias consecutivos, sendo que as pessoas deverão ter cuidados redobrados com a saúde nesse período.


O instituto advertiu ainda para os níveis de baixa humidade nessas regiões, elevando o alerta para o nível de "perigo".


Até quarta-feira, a humidade relativa do ar irá variar entre 20% e 12%, havendo "risco de incêndios florestais e de saúde".


Desde a semana passada que grande parte do Brasil tem registado recordes de temperatura, como consequência da permanência de uma massa de ar seco e quente nas regiões sudeste e centro-oeste do país, que reduziu a humidade relativa do ar a níveis abaixo do considerado ideal pela Organização Mundial da Saúde (40%).


A situação meteorológica tem agravado ainda mais os incêndios florestais que vêm sendo recorrentes nestas regiões.


Fonte: JN

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________