2072 Infetados por Covid-19 nas Últimas 24 Horas em Portugal - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

2072 Infetados por Covid-19 nas Últimas 24 Horas em Portugal

 


Portugal bateu esta quarta-feira um novo recorde de novos casos de Covid-19 ao ultrapassar, pela primeira vez desde o início da pandemia, a barreira dos dois mil casos. Registou-se nas últimas 24 horas mais 7 mortos e 2072 novos casos de coronavírus. O País contabiliza, até ao momento, 2117 óbitos e 91 193 infetados com a Covid-19.


De acordo com o boletim epidemiológico divulgado esta quarta-feira pela DGS, 54 493 pessoas recuperaram da doença, 446 delas nas últimas 24 horas.


Relativamente aos internamentos, 957 pessoas estão internadas, mais 41 do que ontem, 135 das quais em cuidados intensivos (mais 3 que as registadas esta quarta-feira).


A Região Norte concentra o maior número de novos casos registados esta quarta-feira, 48,3 % (1001). Segue-se a Região de Lisboa e Vale do Tejo, com 802, a Região Centro, com 172 novos casos, o Alentejo com mais 47, e o Algarve, com 42.


A Região Autónoma da Madeira tem mais três casos confirmados. Os Açores contabilizam cinco novas infeções.


Forte aumento de novos casos levou o Governo a tomar medidas drásticas

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou esta quarta-feira novas medidas para travar o crescente número diário de contágios por Covid-19. O país vai voltar a Situação de Calamidade a partir das 00h00 desta quarta-feira com novas medidas mais restritas. 


Assintomáticos e casos ligeiros de Covid-19 com isolamento obrigatório de apenas 10 dias

Pessoas infetadas com Covid-19 e que tenham sido vítimas de uma doença ligeira ou moderada vão poder sair do seu isolamento a partir dos dez dias. Anteriormente, tinham de cumprir uma quarentena de 14 dias. Atualização das normas da Direção-Geral da Saúde prevê ainda que deixe de ser necessário o teste laboratorial final para confirmar que o paciente já não está infetado.


396 surtos ativos em Portugal

A ministra da Saúde, Marta Temido, avançou na conferência que há 396 surtos ativos em Portugal. Destes surtos, 136 são na região do Norte, 178 em Lisboa e Vale do Tejo, 14 no Alentejo e 18 no Algarve.


Ainda a abordar os dados desta quarta-feira, a taxa de incidência nos últimos dias situou-se nos 96,6 novos casos por cada 100 mil habitantes. O RT é agora de 1,2, com uma média de 1542 novos casos diários. 


"A doença não desapareceu, vamos ser postos a uma prova muito dura"

Marta Temido afirma que atualmente a incidência de novos casos é maior nos mais jovens e apela, por isso, à responsabilidade. A ministra garante que o pior ainda estará por vir, com crescimento previsto para os próximos dias, e é preciso ter todos os cuidados.


"A doença não desapareceu, vamos ser postos a uma prova muito dura", sublinha. A ministra da Saúde sublinhou ainda que, de acordo com as estimativas do INSA, a situação "tenderá a agravar nos próximos dias de acordo com modelos matemáticos".


A taxa de letalidade global por Covid-19 em Portugal é atualmente de 2,3%. 


Critério de alta clínica alterado

Temido abordou ainda a diferença entre "alta clínica e quarentena" a propósito da redução do isolamento de 14 para 10 dias. A ministra da saúde garante que a quarentena "não sofreu qualquer alteração em termos de período de tempo".


"Nos casos com doença ligeira ou moderada e em que houve doença confirmada por teste", a alta clínica passa a poder acontecer ao final de dez dias.


Nos casos colocados em isolamento sem teste realizado, mantem-se os 14 dias de quarentena.


Graça Freitas sobre jogadores da seleção: Cada doente trata do transporte para o país onde vive

A diretora-geral da saúde, Graça Freitas, defendeu que os jogadores não são diferentes de qualquer outro cidadão e regressam aos países onde vivem por sua conta. Ou seja, cada doente, trata do seu próprio transporte e deve cumprir isolamento ou quarentena a que são obrigados.


À DGS ou autoridade de saúde do país cave informar as autoridades de saúde do país de destino do doente sobre o quadro clínico da pessoa e se está em isolamento ou quarentena. Depois, no país de destino ficará sobre vigilância, à responsabilidade do próprio e das autoridades de saúde locais. 


Qualquer um dos jogadores da seleção que testaram positivo - Cristiano Ronaldo, Anthony Lopes e José Fonte - regressaram aos países de origem com uma declaração em como vão cumprir isolamento ou quarentena.


Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________