Ex-GNR Volta a Ser Detido por Atear Fogos em Abrantes - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 17 de julho de 2020

Ex-GNR Volta a Ser Detido por Atear Fogos em Abrantes


Um ex-militar da GNR com cadastro por atear fogos florestais, em Abrantes, foi detido de novo pela PJ de Leiria, por ser o suspeito de vários incêndios que deflagraram na última semana na zona norte do concelho. O incendiário, de 48 anos, estava em liberdade desde maio, altura em que foi condenado a quatro anos de prisão, pena que ficou suspensa.

Um dos incêndios deflagrou junto à povoação de Ribeira da Brunheta , freguesia do Souto e Aldeia do Mato, e só ficou controlado três horas depois, em resultado da intervenção dos bombeiros, que mobilizaram mais de 200 operacionais, 60 viaturas e dez meios aéreos. Na última semana, no concelho de Abrantes, os bombeiros foram chamados a combater pelo menos cinco fogos, o que desde logo levantou suspeitas.

O ex-militar da GNR, que está aposentado há 18 anos "por incapacidade para o serviço público policial, foi detido quarta-feira e será hoje presente a Tribunal, Santarém, para aplicação de medidas de coação.

Segundo apurou o CM, o detido tem "hábitos de alcoolismo não resolvidos, mesmo após tratamentos de desintoxicação" e problemas do foro psiquiátrico. Vive com o pai e desloca-se de moto pela floresta, ateando os incêndios com chama direta.

Já em Vila Real, foi ontem anunciada pela PJ a detenção de um homem de 70 anos, suspeito de ter ateado um incêndio numa zona de mato, no dia 3. Ouvido por um juiz, foi libertado, ficando sujeito a apresentações. O fogo deflagrou por volta das 11h00 e "colocou em perigo uma vasta mancha florestal, bem como vários armazéns agrícolas e habitações, de valor consideravelmente elevado, que apenas não foram consumidas devido à rápida intervenção dos bombeiros".

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________