“Bombeiro exemplar” que morreu em incêndio em Leiria lembrado com sirenes - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 23 de julho de 2020

“Bombeiro exemplar” que morreu em incêndio em Leiria lembrado com sirenes


Uma cerimónia curta, mas carregada de dor, terminada com um toque de sirene longo e contínuo durante vários minutos. O quartel da 5ª companhia dos Bombeiros de Leiria, em Monte Redondo, foi esta quarta-feira pequeno para a multidão que quis prestar a última homenagem a Filipe André Pedrosa, de 34 anos. O soldado da paz morreu no sábado, quando fazia vigilância a reacendimentos de um fogo florestal.

Filipe tinha sido pai há poucos dias quando sofreu um ataque fulminante e um dos momentos mais emotivos da homenagem foi a entrega do capacete à sua companheira. Poucos foram os que contiveram as lágrimas ao recordarem “um bombeiro e um homem exemplar”. 

O pároco de Monte Redondo dirigiu algumas palavras à mãe de Filipe André Pedrosa, que ficou viúva quando o filho tinha também dias de vida. O padre Joaquim de Jesus João recordou o pai do bombeiro como um trabalhador, que integrava a comissão de festas da localidade. “No fim da festa foi entregar-me a receita e morreu no dia seguinte”, lembrou o sacerdote, salientando que “não é aqui na Terra a nossa morada permanente, estamos cá como peregrinos”. O cortejo fúnebre percorreu depois 19 quilómetros até ao crematório de Leiria.

PORMENORES
Ministro na homenagem
O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, deslocou-se a Monte Redondo para participar nas cerimónia fúnebres do bombeiro.

Máscara e desinfetante
As centenas de pessoas que assistiram ao funeral tinham de se apresentar de máscara e desinfetar as mãos com álcool-gel, sob indicação da GNR.

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________