APBV, lamenta desrespeito que a ANEPC e a tutela tem para com os Bombeiros Voluntários Portugueses - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 5 de julho de 2020

APBV, lamenta desrespeito que a ANEPC e a tutela tem para com os Bombeiros Voluntários Portugueses


⚠️🚨 Falha Orçamental para Pagamento do Dispositivo Terrestre de Combate aos Incêndios Rurais do mês de Junho e atraso na atribuição de EPI aos operacionais afectos ao Dispositivo 🚨⚠️

A Direcção Nacional da APBV, lamenta o desrespeito que a ANEPC e a tutela tem para com os Bombeiros Voluntários Portugueses ano após ano, a APBV não aceita esta “desculpabilização” por falta de orçamento devido à pandemia de COVID19 que assola o nosso território, pois isto é uma situação que se repete anualmente mesmo sem estarmos em estado pandémico.

A Direcção Nacional da APBV assiste com desagrado a esta “desculpabilização” da ANEPC de dificuldades orçamentais pela situação que atravessamos devido à pandemia de COVID19 que continua a assolar o nosso território, pois consideramos que em anos transactos não estávamos com esta especificidade e os atrasos foram uma realidade.

No ofício dirigido ao MAI a APBV referiu ainda que não se podem esquecer em momento algum dos operacionais que tanto dão ao País e às suas populações, os Bombeiros Voluntários são uma “Classe” que está eternamente na linha da frente seja no combate à pandemia, seja no combate aos incêndios. Mas também têm as suas obrigações familiares e as suas despesas mensais, e nessas não existem nem perdões nem desculpas que lhes valha.

É de referir ainda que esta é uma situação que torna muito complicado a um comandante de um Corpo de Bombeiros gerir operacionalmente um dispositivo que por sua vez não sabe quando vai receber o que lhe é devido e que ainda por cima tem despesas diariamente para integrar o mesmo, como por exemplo transporte e alimentação. No fundo os Bombeiros Voluntários enquanto não receberem andam a pagar para trabalhar em prol do País.

Outra situação preocupante que a Direção Nacional da APBV relatou no ofício ao MAI é a efectiva falta de Equipamento de Proteção Individual (EPI) de combate a incêndios rurais que os Corpos de Bombeiros Voluntários têm, neste momento existem relatos de Bombeiros sem EPI e de muitos outros com o EPI sem condições de trabalho devido ao excesso de uso. A Direcção da APBV sabe que existe um concurso de aquisição de EPI em andamento, mas o que é certo é que a época de incêndios já começou à algumas semana e não há uma previsão de resolução deste problema que para a APBV é prioritário. Não podemos em momento algum permitir que a segurança dos operacionais seja posta em causa por falta de EPI.

Foi assim solicitada ao MAI uma resposta com carácter urgente a estas duas situações, para que os milhares de Homens e Mulheres que integram o Dispositivo Terrestre de Combate a Incêndios Rurais possam de alguma forma ser tranquilizados relativamente ao que a eles lhes diz respeito, ou seja, quando vão ser liquidados os pagamentos relativos ao de Junho 2020 e uma data para a entrega do EPI que tanta falta lhes faz na protecção da sua própria vida.

A Direcção APBV,
05/07/2020

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________