Incendeia Carros de Amigos por Falta de 'Gostos' na Internet - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 8 de maio de 2020

Incendeia Carros de Amigos por Falta de 'Gostos' na Internet


Um homem de 36 anos ficou revoltado porque, no seu entendimento, os melhores amigos e antigos colegas de escola deixaram de lhe corresponder nas redes sociais. Não reagiam com ‘gostos’ às suas publicações nem interagiam por mensagens. Vai daí, incendiou dois carros: um da amiga que mais o apoiou quando o pai morreu, há um ano; e outro da família de uns gémeos que conhecia desde a escola.

Os crimes ocorreram, respetivamente, a 4 e a 9 de abril. No primeiro caso, as chamas no carro da amiga e vizinha, na Damaia, Amadora ainda se propagaram a outros dois. No segundo, a vítima foi o pai dos gémeos, que teve o carro destruído. A PJ de Lisboa deteve agora o incendiário - entretanto solto pelo tribunal com apresentações diárias à PSP.

O homem, desempregado, a residir com a mãe, de 63 anos, e descompensado por ser alegadamente desprezado pelos amigos, cometeu ambos os crimes entre as 03h00 e as 04h00. E, embora não existam imagens do início dos fogos, foi filmado nas imediações pelo sistema de videovigilância da Amadora.

O suspeito chegou a ser detido pela PSP já depois dos incêndios. No dia 25 de abril gritava e partia objetos dentro de casa, o que levou os vizinhos a chamarem a PSP. A patrulha foi quatro vezes ao local e, na última delas, foi insultada e ameaçada. O homem, que dizia ser advogado (não é) e estar infetado com Covid-19 (não está), tendo ainda furtado a carteira e um telemóvel à mãe, ainda cerrou os punhos para agredir um polícia e acabou por ser detido. Foi libertado pouco depois pelo juiz.

Com ficha policial desde 2016, tem uma condenação por violência doméstica. Anda com pulseira eletrónica para não se aproximar da ex-companheira, que teve de emigrar.

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________