Mentira de doente Covid-19 põe INEM e hospital em risco - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 17 de abril de 2020

Mentira de doente Covid-19 põe INEM e hospital em risco


Indivíduo ligou ao 112 devido a dor torácica e negou estar infetado com Covid-19. Só no hospital de Santo António é que foi detetado.

Ligou para o INEM porque se sentia mal. Quando lhe perguntaram se estava infetado com o novo coronavírus disse que não. Foi então levado para o Hospital de Santo António, no Porto, onde o pessoal médico verificou que afinal era doente com Covid-19, testado positivo há algumas semanas. Pôs em risco de contágio os elementos do INEM, bombeiros, doentes e profissionais de saúde do hospital.

Por ter mentido sobre o estado de saúde, o homem pode agora ser indiciado por crime de propagação de doença infeciosa e pode ser condenado a uma pena de prisão até oito anos.

O caso aconteceu na quarta-feira cerca das 13 horas. O homem, de 57 anos, reside com a mulher (também infetada) no Bairro de Francos, Porto, ligou para o 112. Queixava-se de dor torácica forte e alegou ser doente cardíaco.

O operador do Centro de Orientação de Doentes Urgentes fez perguntas sobre os sintomas, que não eram, à partida, compatíveis com a Covid-19.

Perante o cenário clínico descrito, foi imediatamente chamada uma equipa do INEM, constituída por um enfermeiro e uma médica.

Só esteve em contacto direto com a médica

Já na casa do doente, a médica perguntou se tinha conhecimento de ter sido infetado pela Covid-19. O indivíduo respondeu expressamente que não, faltando à verdade.

De acordo com informações recolhidas pelo JN, apenas a médica esteve em contacto direto com o doente, enquanto o enfermeiro ficou à distância. Os profissionais do INEM estão a limitar os contactos físicos com os doentes ao estritamente necessário, precisamente para evitar eventuais contágios.

A médica tomou a decisão de transportar o doente para o hospital. Para o serviço, foram contactados os Bombeiros Portuenses. Dois elementos da corporação deslocaram-se ao Bairro de Francos. O homem foi levado para a ambulância e transportado para a urgência do Santo António.

Nesta unidade de saúde, o doente passou pela triagem de Manchester, onde teve contacto com um enfermeiro. Depois, aguardou a consulta médica na sala, onde havia outros doentes.

Foi depois chamado para ser visto pelo médico de serviço. No consultório, a ficha clínica do doente, consultada no sistema informático do hospital, revelou que afinal o homem tinha Covid-19. Soaram logo os alarmes e o indivíduo foi de imediato encaminhado para uma zona isolada.

Entretanto, o hospital comunicou o caso à PSP, que tem um posto instalado junto à urgência. Também foram contactados os elementos do INEM e os dois bombeiros.

"Tivemos e temos sempre todas as precauções no nosso dia a dia. Os dois bombeiros foram colocados de quarentena profilática", esclareceu, ao JN, Joaquim Caldas, comandante dos Bombeiros Portuenses.

Ninguém sabe por que razão o indivíduo mentiu à médica do INEM e omitiu a infeção por Covid-19 ao enfermeiro e ao médico do Hospital de Santo António. O homem deverá ser interrogado e constituído arguido pelo Ministério Público.

Sem proteção

A médica que assistiu o indivíduo terá prestados os primeiros cuidados sem proteção individual acrescida, uma vez que o doente afirmou não estar infetado com o coronavírus.

Denúncias na ASAE

A ASAE recebeu num mês cerca de 4500 denúncias, 75% das quais no contexto da pandemia de Covid-19, a maioria sobre a prática de preços especulativos em produtos como máscaras, álcool e álcool-gel. Entre 13 de março e 14 de abril foram recebidas denúncias relativas ao crime de desobediência e outras relativas a incumprimento de normas de higiene.

Fonte: JN

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________