LBP Pede Apoio Financeiro para as Associações - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 26 de março de 2020

LBP Pede Apoio Financeiro para as Associações


A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) solicitou ao ministro da Administração Interna (MAI) que seja criado um mecanismo especial de apoio financeiro às associações humanitárias de bombeiros voluntários “no sentido de permitir o pagamento de salários e manter ativos os bombeiros funcionários das associações, em conjunto com os voluntários, permitindo assim que o dispositivo especial de apoio ao Serviço Nacional de Saúde, quer urgente, quer emergente, possa continuar a ser assegurado pelo principal agente de proteção civil”.

Nas várias missivas enviadas ao MAI, o presidente da LBP, comandante Jaime Marta Soares, avança que “uma situação clara poderia ser a de avançar com um Dispositivo Especial de Apoio, traduzindo-se num apoio diário, como o que é mantido no combate aos incêndios rurais ou uma linha de crédito para apoio ao pagamento de salários e combustíveis”.

A proposta da confederação surge na reação à quase total paragem do serviço de transportes de doentes com consequências na situação financeira das associações e a necessidade de satisfazer o pagamento dos salários aos bombeiros que executam esse serviço. No mais recente ofício datado de 25 de março, a que o jornal Bombeiros de Portugal teve acesso, Jaime Marta Soares alerta Eduardo Cabrita ser “necessário e fundamental” garantir às associações humanitárias os “apoios que estão a ser aplicados a outros setores de atividade”, defemdendo que decisões tardias podem revelar-se ineficazes.

Na mesma linha a confederação, alerta a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) que, na situação difícil que o País enfrenta, “as Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários vivem, também, momentos de grande incerteza e de acrescida dificuldade, sobretudo de nível financeiro, pois uma das suas fontes de receita - o transporte de doentes não urgentes - está praticamente parada por força do COVID19”.

Assim, a Liga dos Bombeiros Portugueses, “enquanto legítima representante” do setor solicita a Manuel Machado que “sensibilize as Câmaras Municipais no sentido de poderem enviar os duodécimos de apoio ou os subsídios extraordinários para que o sistema municipal de proteção civil assente no seu principal agente não venha a claudicar”.

Se esta situação vier a acontecer, Jaime Marta Soares vislumbra o “caos financeiro” para as instituições, que “não terão capacidade para garantir o seu funcionamento”, o que, consequentemente, pode colocar em causa a capacidade de resposta e, logo, o socorro às populações. 

LBP

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________