PJ faz buscas na Câmara e nos Bombeiros de Coruche - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

PJ faz buscas na Câmara e nos Bombeiros de Coruche


A Polícia Judiciária fez buscas na Câmara e nos Bombeiros Municipais de Coruche, esta quinta-feira, no âmbito de uma ação inspetiva relativa a subsídios a bombeiros voluntários.

Francisco Oliveira, presidente do município, confirmou à agência Lusa a presença de inspetoras da PJ para recolha de documentos, nomeadamente de deliberações do executivo municipal, atas e orçamentos, bem como sobre a Associação dos Amigos do Ambiente, da Proteção Civil e do Socorro, com a qual a autarquia tinha, desde 2008, um protocolo que cessou em setembro último.

O autarca afirmou que a corporação de bombeiros local é um corpo misto, integrando bombeiros sapadores e voluntários, sendo estes pagos através do subsídio concedido à associação, situação cuja legalidade foi levantada pelo Tribunal de Contas em setembro último, momento a partir do qual esse apoio foi suspenso.

"Estamos perfeitamente tranquilos e em crer que nada de extraordinário e especial" resultará da busca ordenada pelo Ministério Público, declarou Francisco Oliveira, adiantando que "não foram constituídos arguidos nem ninguém foi indiciado".

O presidente da Câmara de Coruche afirmou que, na sequência do relatório do Tribunal de Contas, foram pedidos esclarecimentos ao Governo sobre a forma legal de assegurar a prestação de socorro e o pagamento aos bombeiros que não são sapadores, aguardando ainda resposta.

O autarca disse que a questão se coloca apenas nos municípios que têm corporações de bombeiros com corpos mistos, já que nos concelhos com associações humanitárias a atribuição de subsídios não é questionada.

Francisco Oliveira disse à Lusa que a inspeção do Tribunal de Contas teve origem numa denúncia anónima, confirmando que o protocolo com a associação envolvia um pagamento anual um pouco superior a 100 mil euros.

Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________