Época de fogos começa 44 dias mais cedo que nos anos 80 - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Época de fogos começa 44 dias mais cedo que nos anos 80


Na década de 1980 a época de incêndios florestais começava, em média, a 21 de julho, mas de década para década a tendência tem sido sempre para começar cada vez mais cedo, começando, na última década, a 7 de junho.

A conclusão é uma das primeiras de um estudo feito pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), no âmbito do projeto FIRESTORM, em parceria com centros de investigação de várias faculdades.

Os especialistas em incêndios florestais e meteorologia procuraram saber, no fundo, em que data é que nas últimas quatro décadas se atingiu a fasquia de 10% da área ardida total desse ano.

Os resultados revelam que nas décadas de 2000-2009 e 2010-2018 (década ainda incompleta por falta dos dados definitivos de 2019) "houve uma antecipação média de cerca de duas semanas em relação à década 1990-1999 (10 e 14 dias, respetivamente)".

No entanto, se recuarmos mais no tempo e compararmos 2010-2018 com 1980-1989 a última década teve uma época de fogos a começar 44 dias antes.

Um dos membros da equipa de investigação, Ilda Novo, meteorologista do IPMA, admite à TSF que é provável que as alterações climáticas tenham afetado esta tendência.

"O aquecimento e as secas que se têm vindo a acentuar nos últimos anos podem estar associadas a alterações climáticas e havendo mais calor e tempo mais seco isso pode estar a concorrer para a antecipação da época de incêndios", afirma a investigadora.

Fonte: TSF

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________