Oleiros – Proprietários Rendidos ao Fogo Controlado - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 9 de fevereiro de 2020

Oleiros – Proprietários Rendidos ao Fogo Controlado


Agif realizou diversas ações no terreno… Decorreram, nos últimos dias, no concelho de Oleiros, diversas ações de formação em fogo controlado, promovidas pela Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (Agif).

Esta ferramenta ao serviço da gestão de combustível começa agora a ser utilizada nesta região e, a avaliar pelas reações dos proprietários de algumas parcelas intervencionadas, a satisfação é notória. À Rádio Condestável, Jorge Antunes concordou que “é um serviço que melhora o terreno”, o qual “fica mais limpo e não afeta o pinhal”, disse, aconselhando outros proprietários a optarem por este sistema. 

Foi o que fez António Luís. Este proprietário não tem dúvidas de que “é a única solução para o nosso pinhal”. “Espero que isto nunca mais pare. Limpar ninguém vai limpar porque não é rentável”, considerou. Numa outra situação, e se tivesse que fazer limpeza manual da sua floresta, Albino Caldeira “não o fazia. Fica demasiado dispendioso e não conseguimos tirar proveito da mata para fazer a manutenção manual”, sublinhou.

O uso do fogo controlado é apenas uma das formas de tornar a nossa floresta rentável e menos exposta aos riscos de incêndio. Para isso, Tiago Martins Oliveira, presidente da Agif, defende que o foco deve passar para a prevenção, logo tem que existir reforço do apoio institucional. O proprietário “tem que receber mais dinheiro pelos pinheiros que vende. Não só pela madeira que produz, mas também pelo carbono que fixa, pela caça que alberga e pela água que regula”, explicou. O objetivo é que “a floresta seja uma atividade económica, que se aguente por ela própria”, vincou.

Um dos desafios que se colocam aos políticos é o de encontrar soluções que “permitam intervir em áreas onde o proprietário não está. Há desavenças de herdeiros e as coisas não se resolvem. No meio deste esforço todo ficam áreas por tratar e os que trataram não podem ser prejudicados por aqueles que não trataram”, por isso defende uma solução política. 

Esta ação coordenada pela Agif juntou vários organismos ligados à floresta, como por exemplo, bombeiros, sapadores florestais, técnicos de associações e da CIM e da proteção civil municipal. António Salgueiro, técnico formador em uso do fogo controlado, notou que esta formação conseguiu juntar elementos de várias áreas, concorrendo todas para o mesmo fim.

Por parte da autarquia de Oleiros a abertura é total no apoio a estas ações. No entender de Vítor Antunes, vice-presidente da câmara, “os proprietários estão sensibilizados e recetivos. Têm disponibilizado os terrenos para estas ações que podem ser uma das portas de saída para evitar as tragédias dos últimos anos”, reforçou.

Este autarca acredita que esta pode não ser a poção mágica para resolver todos os problemas, mas é mais um passo e uma ferramenta para ajudar a evitar tragédias como as do passado recente.

Fonte: Radio Condestável

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________