Bombeiros de Baltar Afirmam que Fim de EIP "Não Coloca em Causa a Prestação de Socorro da População" - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

Bombeiros de Baltar Afirmam que Fim de EIP "Não Coloca em Causa a Prestação de Socorro da População"


O fim da Equipa de Intervenção Permanente (EIP) dos Bombeiros Voluntários de Baltar fez soar as sirenes de alarme. O CDS local questionou a eficácia da atuação da corporação na sua zona de cobertura.

Os Bombeiros Voluntários de Baltar, no município de Paredes, vão perder a sua Equipa de Intervenção Permanente (EIP). A situação gerou alguma polémica, nomeadamente por parte do CDS-PP de Baltar, que afirmou em comunicado que agora “o socorro demorará mais tempo a chegar. Esta é a realidade com que os habitantes de Baltar, Gandra, Recarei, Vandoma e Vila Cova de Carros, até agora servidos pela eficiente Equipa de Intervenção Prioritária (EIP), se irão deparar daqui em diante. Realidade que já não se vivia há largos anos”.

No entanto, o comandante interino dos Bombeiros Voluntários de Baltar, António Carlos Ferreira, veio hoje a público comunicar, através da página de facebook da corporação, que “face às noticias que têm vindo a ser publicadas nas redes sociais, informo a população da área de atuação própria dos Bombeiros de Baltar (Baltar, Gandra, Recarei, Vandoma e Vila Cova de Carros) que o socorro à população não está, nem nunca esteve, em causa".

O CDS relembrou que a EIP que servia estas populações era constituída por “cinco bombeiros e era financiada pela Câmara Municipal de Paredes (50%) e pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (50%)”.

Fonte: Jornal A Verdade

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________