Azambuja com Central Municipal de Operações de Socorro - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Azambuja com Central Municipal de Operações de Socorro


A Câmara de Azambuja aprovou a criação de uma Central Municipal de Operações de Socorro (CMOS), em articulação com as duas associações humanitárias de Bombeiros Voluntários existentes no concelho.

A CMOS, que funcionará 24 horas por dia, sete dias por semana, permitirá uma "maior rentabilidade dos recursos" e uma "resposta mais eficaz às ocorrências", de forma a que os cidadãos tenham "o socorro mais rápido possível, mais eficiente e adequado", diz o município em nota de imprensa. Esta central permitirá, ainda, uma coordenação em tempo real do número de operacionais e viaturas disponíveis, possibilitando uma melhor agilização dos meios.

O investimento superior a 100 mil euros, as instalações e os equipamentos indispensáveis a este novo serviço serão fornecidos pelo município. O funcionamento da central será regulado pela autarquia, através do serviço de Proteção Civil, em articulação com as direções e os comandos das duas associações de bombeiros do concelho.

Será criado, a nível municipal, um número único de emergência. A nova central substituirá as atuais centrais de despacho dos corpos de bombeiros de Azambuja e de Alcoentre e incluirá uma articulação com o INEM.

No mesmo âmbito, foram aprovadas as minutas dos protocolos de cooperação a celebrar entre o município e as duas associações humanitárias, tendo em vista assegurar o pleno e regular funcionamento da referida central. As corporações cedem à central os recursos humanos qualificados para o serviço e, em contrapartida, o município garante o financiamento de 35 mil euros anuais a cada associação. 

Fonte: Valor Local

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________