Turnos do INEM em Lisboa Sem Médico Coordenador - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Turnos do INEM em Lisboa Sem Médico Coordenador


Médicos e enfermeiros de emergência médica denunciam falhas nos turnos que têm gerado “atraso no correto encaminhamento dos doentes urgentes, colocando em risco a vida das pessoas”.

A escassez de médicos na rede pública de cuidados assistenciais já não está limitada aos centros de saúde e hospitais: chegou também à rede nacional de emergência. Médicos e enfermeiros do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) denunciam falhas nas escalas na área de Lisboa que têm provocado “atraso no correto encaminhamento dos doentes urgentes, colocando em risco a vida das pessoas”.

“O aumento de escassez de médicos, tem causado graves constrangimentos e falhas nas funções de regulação que lhe são inerentes. No Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) de Lisboa tem sido frequente haver turnos ou períodos durante o dia onde não existe qualquer médico”, o que tem “implicado graves problemas na regulação de todos os meios, com especial foco nos que carecem de validação de procedimentos, no tempo de espera para passagem de dados de meios diferenciados e atraso no correto encaminhamento dos doentes urgentes”, afirma a Associação Portuguesa de Enfermeiros e Médicos de Emergência (APEMERG). Segundo os responsáveis, “o INEM não tem conseguido colmatar a falta destes profissionais, levando a uma sobrecarga dos outros CODU (no Porto, Coimbra e Faro), tornando este um problema a nível nacional”.

A par da carência de médicos, é denunciada também a escassez de enfermeiros, “nomeadamente na articulação e ativação das Vias Verde, interligação com as salas de emergência dos hospitais e no acompanhamento das ambulâncias de suporte imediato de vida”. Na prática, uma “partilha de funções (…) de extrema importância para libertar o médico para a verdadeira função de regulação do socorro médico extra-hospitalar".

A APEMERG faz saber que tem “insistentemente tentado agendar uma reunião com o conselho diretivo do INEM para discutir esta e outras matérias relevantes, mas sem sucesso até à data”. E sublinha: “Não deixaremos que o silêncio ou a falta de diálogo nos impeça de cumprir os nossos desígnios enquanto associação, pelo que recorreremos à tutela, nomeadamente ao Ministério da Saúde, para a tentativa de resolução deste problema.”

A APEMERG exige que os CODU tenham sempre um médico com a competência de emergência médica e experiência extra-hospitalar e que sejam cumpridos os critérios de admissão para o cargo criados pelo INEM. Um procedimento que “nem sempre acontece”.

Fonte: Expresso

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________