Trabalhos agrícolas estão na origem de grande parte dos fogos, “mas não de todos” - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 26 de junho de 2019

Trabalhos agrícolas estão na origem de grande parte dos fogos, “mas não de todos”


José Ribeiro, Comandante Distrital de Operações de Socorro, esteve aos microfones da Campanário e falou e sobre o número “significativo” de incêndios que marcou a primavera de 2019.

O comandante declara que as ocorrências foram “maioritariamente” associadas “àquilo que são os trabalhos e práticas agrícolas”. Este fator “está na origem de algumas ocorrências, mas não de todas”, aponta, avançando que “algumas estão ainda em investigação”.

O facto de “termos tido um inverno e uma primavera muito secos”, deixando o “solo com pouca água e os combustíveis muito disponíveis para a combustão”, acrescido “aos dias com temperaturas muito elevadas” que marcaram os últimos dias de maio, “provou um número mais elevado de ocorrências e ocorrências com um desenvolvimento muito rápido”, destaca.

Questionado sobre o grande empenhamento de meios, nomeadamente aéreos, nestas ocorrências, o comandante distrital explica que houve uma aposta “num ataque muito musculado quer com meios aéreos quer com meios terrestres”, para garantir a resolução das ocorrências em locais que já tinham histórico, nomeadamente a Serra D’Ossa, onde um incêndio mobilizou mais de 50 operacionais e 3 meios aéreos, dia 1 de junho.

"O dispositivo tem estado a ser sujeito a uma prova importante da sua capacidade” e “tem respondido de forma muito positiva”, destaca.

Questionado sobre o funcionamento do SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal) no distrito, o comandante José Ribeiro afirma que “de uma maneira geral funciona”. Existem, contudo, “algumas zonas cinzentas” já identificadas, “em que a rede é mais fraca”, sendo utilizado em alternativa “a rede da banda alta, uma rede de rádio, que nos permite nesses locais assegurar as comunicações de emergência dos vários operacionais”.

Fonte: Diário Campanário

Sem comentários:

Publicar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________