E quando menos se espera… podemos salvar uma vida! - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 4 de abril de 2019

E quando menos se espera… podemos salvar uma vida!


Álvaro Monteiro trabalha como Técnico de Logística na Delegação Regional do Norte (DRN) do Instituto Nacional de Emergência Médica. No passado dia 28 de março, deslocou-se na sua hora de almoço a uma superfície comercial próxima do seu local de trabalho. Enquanto se encontrava na fila para o Multibanco, um homem que ali se encontrava cai inesperadamente inanimado no chão.

Álvaro Monteiro não hesitou em aplicar os seus conhecimentos e aptidões e ativou a Cadeia de Sobrevivência, tendo imediatamente contactado o Número Europeu de Emergência – 112. Simultaneamente iniciou manobras de Suporte Básico de Vida (SBV), começando por fazer 30 compressões torácicas seguidas de duas insuflações, uma vez que o doente não respirava. O profissional do INEM manteve estas manobras até que a Ambulância e a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do INEM entretanto ativadas pelo INEM chegaram ao local.

Estas equipas médicas iniciaram imediatamente manobras de Suporte Avançado de Vida (SAV) e conseguiram reverter a paragem cardiorrespiratória (PCR). O doente foi então transportado à unidade de saúde, onde deu entrada com sinais de vida.

À luz do conhecimento médico atual, considera-se que há três atitudes que modificam o resultado no socorro a uma vítima que sofre paragem cardiorrespiratória (PCR):

Pedir ajuda, acionando de imediato o Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM);
Iniciar de imediato manobras de Suporte Básico de Vida (SBV);
Aceder à desfibrilhação tão precocemente quanto possível mas apenas quando indicado.

Estes procedimentos sucedem-se de uma forma encadeada e constituem uma cadeia de atitudes em que cada elo articula o procedimento anterior com o seguinte. Surge assim o conceito de Cadeia de Sobrevivência, composta por quatro elos ou ações, em que o funcionamento adequado de cada elo e a articulação eficaz entre os vários elos é vital para que o resultado final seja uma vida salva.

Os quatro elos da cadeia de sobrevivência são:

Acesso precoce ao Sistema Integrado de Emergência Médica – 112;
Início precoce de (SBV) Suporte Básico de Vida;
Desfibrilhação precoce;
Suporte Avançado de Vida (SAV) precoce.

Esta história poderia ser ter sido ficcionada para ilustrar a importância de todos os cidadãos saberem fazer manobras de Suporte Básico de Vida. Mas é real e neste caso um profissional do INEM que não é profissional de saúde, deu provas da importância de todos estarmos preparados para atuar quando se trata de ajudar o próximo.

Aprenda a fazer manobras de Suporte Básico de Vida! Veja aqui o vídeo do INEM que o guia nestes simples gestos.

A emergência médica começa em si! Colabore com o INEM.

Quando menos esperar, pode salvar uma vida!

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________