Médicos do Centro denunciam situação "caótica" no Hospital de Leiria - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Médicos do Centro denunciam situação "caótica" no Hospital de Leiria


A Secção Regional Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) escreveu esta quinta-feira à ministra da Saúde a denunciar a situação caótica que se verifica no serviço de urgência do Hospital de Leiria. 

"A carência de recursos humanos no Serviço de Urgência do Centro Hospital de Leiria, não constituindo assunto novo, tem, infelizmente, evoluído para uma situação gravíssima que impede uma prestação de cuidados adequados e situações de alto risco para os doentes", refere o presidente da SRCOM, Calos Cortes. Na missiva, o responsável revela que o serviço está "abaixo dos mínimos e ninguém pode garantir atualmente um ambiente de segurança para todos os doentes". 

Segundo Carlos Cortes, os profissionais de saúde daquela unidade hospitalar "descrevem um cenário caótico, com uma degradação inexorável que se traduz na insuficiente qualidade das condições do Serviço de Urgência, ainda funcionais porquanto assentes no esforço hercúleo de quem diariamente os assegura, pese embora a falta de apoio a diversos níveis". 

"O espaço físico e o número de profissionais são absolutamente insuficientes para assegurar o correto tratamento dos doentes e a saúde física e mental dos profissionais", lê-se no ofício enviado a Marta Temido. O presidente da SRCOM considera que "é desumano e irresponsável manter este nível de pressão sobre os profissionais de saúde", pelo que alerta a ministra da Saúde para a "insustentabilidade da situação e para a necessidade de dar uma resposta urgente, eficaz e definitiva".

No texto, Carlos Cortes apela à mobilização de recursos e meios financeiros e a uma solução que garanta a gestão à altura dos legítimos e constitucionalmente garantidos direitos dos doentes, que, na atual conjuntura, considera prejudicados.

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________