INEM Afasta Médico de Helicóptero de Évora - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

INEM Afasta Médico de Helicóptero de Évora


A decisão surge após a realização de um inquérito elaborado a partir de uma denúncia sobre a recusa do clínico em transportar um doente por sofrer de uma indisposição. Há, contudo, indícios que colocam o médico à mesma hora a trabalhar numa tourada. 

"O INEM decidiu cessar a prestação de serviços do médico António Peças a partir do dia 1 de fevereiro de 2019", divulgou fonte do instituto ao CM. A mesma fonte confirmou a conclusão do inquérito e o envio das conclusões para a Inspeção Geral das Atividades em Saúde, para a Ordem dos Médicos e também para o Hospital do Espírito Santo em Évora. Contados pelo CM, dos três organismos apenas o hospital divulgou que "não faz declarações sobre este assunto". 

O caso remonta a 29 de outubro de 2017. Um doente de 74 anos sofreu um traumatismo de crânio com uma extensa hemorragia subaracnóidea traumática. O hospital decide pelo transporte por helicóptero para o Hospital de São José, em Lisboa, onde uma equipa de neurocirurgia aguarda o doente. O transporte acaba, contudo, por não se concretizar porque o médico alega sofrer de uma gastroenterite, revela a denúncia anónima que terá sido entregue no INEM. 

O doente seria deslocado para Lisboa por ambulância dos bombeiros, acompanhado não por um médico, mas por um enfermeiro. Um outro incidente ocorrido sensivelmente à mesma hora levanta, contudo, fortes suspeitas que o médico estava a trabalhar em simultâneo na Arena d’ Évora onde teria lugar na mesma tarde uma corrida de toiros. Noticiou então o Toureiro .pt que na referida corrida o diretor do espaço, Marco Gomes, sofreu queimaduras no balneário enquanto tomava banho e foi assistido pela equipa médica afeta ao espetáculo, que incluía o  médico António Peças. 

Impõe a legislação que a realização de uma tourada obriga à entrega de documentos comprovativos da presença dos médicos junto da inspeção geral das atividades culturais. A mesma denúncia aponta ainda que, ao longo de vários meses, o médico António Peças terá estado em simultâneo a trabalhar para o hospital de Évora e para o helicóptero,  recebendo de ambas as instituições. O Correio da Manhã procurou obter uma posição por parte do médico cirurgião, mas, por agora, não obteve resposta.

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________