Greve dos Bombeiros Profissionais com Adesão de 100% em Algumas Corporações - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Greve dos Bombeiros Profissionais com Adesão de 100% em Algumas Corporações


A greve dos bombeiros profissionais, que começou esta quarta-feira, está a ter uma adesão de 100% em algumas corporações, segundo dados da associação e sindicato de bombeiros, que garante que o socorro das populações está assegurado. 

Todos os bombeiros sapadores e municipais das corporações de Braga, Lisboa, Setúbal, Faro, Tavira, Olhão e Machico (na Madeira) aderiram à greve, segundo um balanço feito pela Associação Nacional de Bombeiros Profissionais/Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais (SNBP/ANBP) relativo aos dois primeiros turnos. 

Os bombeiros iniciaram à meia-noite desta quarta-feira uma greve nacional contra as propostas dos Governo sobre estatuto de carreira e aposentações, que consideram ter "agravado a vida e o trabalho de milhares de bombeiros profissionais". No Porto a adesão à greve atingiu os 90% e em Loulé os 85%, revela a ANBP/SNBP que, até ao momento, tem os resultados dos dois primeiros turnos (o iniciado na terça-feira às 20h00 e o iniciado esta quarta-feira às 08h00). 

A associação e sindicato apresentam ainda os dados do Funchal, onde metade dos profissionais aderiu ao protesto, e Santa Cruz, que surge como a região com a taxa de adesão mais baixa do país (40%). Neste momento, ainda estão a ser recolhidos dados sobre o impacto do protesto em várias corporações de todo o país, como Viana do Castelo ou Vila Nova de Gaia. 

A greve dura até 2 de janeiro e ocorre em todas as cidades onde existam sapadores bombeiros e bombeiros municipais. Em declarações à Lusa, o presidente da ANBP, Fernando Curto, sublinhou que durante a greve "o socorro está garantido" e "toda a população pode estar descansada que os bombeiros estarão lá, porventura até mais, porque ficam mais bombeiros no quartel do que nos outros dias, e todos os outros serviços estão assegurados". 

A paralisação dos bombeiros afeta apenas os serviços de prevenção, prevenção a espetáculos, serviços administrativos. A greve foi marcada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa (STML) e pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL). "Esta paralisação nacional tem como objetivo reivindicar a dignificação e valorização da carreira e pelo direito a aposentação e reforma condignas após o limite de idade que a especificidade e as exigências do exercício das funções impõem", refere a ANBP/SNBP. 

Os bombeiros profissionais, adianta um documento conjunto, lutam pela criação de um regime de reserva, "pelo vínculo de nomeação e pela manutenção estatutária da carreira como corpo especial de Proteção Civil", bem como pela "habilitação e qualificação específica para a criação de carreira ou categoria de oficial bombeiro".

Fonte: Correio da Manhã

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________