INEM e Câmara com Versões Diferentes Sobre Morte em Montemor-o-Velho - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 14 de outubro de 2018

INEM e Câmara com Versões Diferentes Sobre Morte em Montemor-o-Velho


A passagem do furacão Leslie na região Centro, no sábado, provocou um morto em Montemor-o-Velho, segundo a câmara local. Na Pampilhosa, fonte oficial da GNR atribui uma morte ao mau tempo, mas uma outra recusa ligação. Por parte do INEM, não se registou qualquer morte relacionada com a tempestade.

"Há a registar uma vítima mortal, três feridos ligeiros, sete famílias desalojadas (já realojadas em casas de familiares) e uma família de três pessoas que se recusou a sair da sua habitação", disse fonte daquela autarquia do distrito de Coimbra. A vítima foi atingida por uma árvore, em Amieiro, freguesia de Arazede.

Bruno Borges, coordenador da Sala de Situação Nacional ativada pelo INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica) para acompanhar a passagem do Leslie, disse à agência Lusa que se registaram duas mortes em zonas afetadas pela tempestade, em Montemor-o-Velho e Pampilhosa da Serra, mas não estão relacionadas com o mau tempo.

O responsável adiantou que as duas pessoas morreram de doença súbita, "aparentemente em paragem cardiorrespiratória", e "sem sinais de trauma".

Bruno Borges sublinhou que os óbitos foram declarados nos locais por duas equipas médicas do INEM.

A passagem do Leslie por Portugal, no sábado e hoje, provocou, pelo menos, 28 feridos ligeiros. De acordo com o comandante Rui Laranjeira, da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), todos os feridos apresentavam ferimentos ligeiros, ainda que tenham sido transportados a uma unidade de saúde parar receberem tratamento. A ANPC registou ainda três pessoas assistidas no local, que não necessitaram de ser levadas a unidades de saúde.

A tempestade fez ainda 61 desalojados, 57 dos quais no distrito de Coimbra, um em Leiria e três em Viseu.

Mais de 100 mil pessoas continuam sem eletricidade , o litoral de Coimbra e a zona do Louriçal, em Pombal, são as zonas mais afetadas por cortes, informou a EDP distribuição.

Na Figueira da Foz foi registada a maior rajada de vento do país , atingindo os 176 quilómetros por hora, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O alerta amarelo mantém-se até à meia-noite deste domingo.

Um homem de 82 anos foi encontrado morto na Pampilhosa da Serra. Fonte oficial da GNR disse ao JN que a vítima, empurrada pelo vento, caiu e embateu com a cabeça no chão.

A ANPC mobilizou 8.217 operacionais, que tiverem de responder a 2.495 ocorrências, sobretudo queda de árvores e de estruturas e deslizamento de terras.

JN

Sem comentários:

Enviar um comentário