"Bunker" na Lousã com Capacidade para 150 Pessoas em Caso de Incêndio - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

domingo, 28 de outubro de 2018

"Bunker" na Lousã com Capacidade para 150 Pessoas em Caso de Incêndio


Mais de 150 pessoas podem refugiar-se em caso de incêndio ou tempestade num abrigo de betão construído pelos moradores de Vale de Nogueira, na Serra da Lousã.

Pouco mais de 30 aldeões, maioritariamente idosos, permanecem neste lugar do concelho da Lousã, que já teve perto de 200 habitantes no início do século XX, entre pequenos agricultores, pastores e carvoeiros, muitos dos quais partiram depois em busca de melhores condições de vida, sobretudo em Lisboa.

O grande incêndio que começou neste município do distrito de Coimbra, em 15 de outubro de 2017, e que se alastrou a outros concelhos, causando 50 mortos na região Centro, levou a Comissão de Melhoramentos de Vale de Nogueira a pensar em novas medidas de defesa da população.

"A gente pode aguentar aqui muito tempo", afirma à agência Lusa Osvaldo Serra, dirigente da comissão fundada em 1997.

Devido à desertificação, abandono das áreas florestais e antigos campos de cultivo, a que acrescem as alterações climáticas, cria-se "aqui um barril de pólvora", alerta.

No espaço onde se realiza a festa anual da Senhora dos Remédios, em agosto, a comissão implantou um 'bunker' com água e energia elétrica que pode albergar 150 a 200 de pessoas.

Parcialmente enterrado na encosta, o abrigo tem uma área de 200 metros quadrados e dispõe de uma sala ampla, bar, cozinha e sanitários. A Câmara da Lousã doou algum equipamento.

"Se houver um incêndio como o do ano passado, temos condições para aguentar aqui um dia ou dois, livres de perigo", refere Osvaldo Serra, de 71 anos, um dos mais afamados tocadores de concertina vivos da Serra da Lousã.

As famílias de Vale de Nogueira "já sabem que é para aqui que têm de fugir", acrescenta.

Ele e quase todos os vizinhos, além de moradores de outros lugares próximos, labutaram durante décadas como estivadores no Porto de Lisboa.

Já reformado, Osvaldo regressou à terra e dinamizou o processo de constituição da Comissão de Melhoramentos, no qual também participaram Ulisses Serra, seu tio, e Orlando Rodrigues, entre outros.

Na construção do abrigo e da Casa do Povo, recuperação da antiga escola primária, abertura e estradas, reflorestação dos terrenos comunitários e demais melhoramentos, a associação já investiu cerca de 90 mil euros.

Pela utilização do terreno onde está situada uma antena, junto à escola, uma empresa de telecomunicações paga 1.500 euros por ano à Câmara, que depois entrega esta verba aos moradores.

O dinheiro aplicado nos benefícios tem origem especialmente na venda de árvores do baldio de Vale de Nogueira, onde a Comissão de Melhoramentos plantou 900 castanheiros enxertados, que também deverão ajudar a travar eventuais fogos.

Trata-se de dois soutos, cercados com rede de dois metros de altura para impedir que os veados destruam as árvores ainda jovens.

"Tivemos a preocupação de deixar um espaço de 30 metros fora da vedação, precisamente por causa do fogo", salienta Osvaldo Serra.

Todos os anos, a Comissão realiza "pelo menos uma assembleia e as pessoas são alertadas" sobre os procedimentos em caso de incêndio, o que vale também para os furacões.

Orlando Rodrigues, de 82 anos, é um dos vizinhos a quem a chave do abrigo foi distribuída.

O 'bunker' "é muito útil" para proteger a população, confirma o antigo trabalhador portuário.

Para Ulisses Serra, de 84 anos, o equipamento comunitário "tem todas as condições" para receber pelo menos 150 pessoas.

Ulisses aponta para as inúmeras árvores dos quintais ou que puderam crescer nas leiras outrora cultivadas.

Lamenta que essa vegetação tape agora as vistas sobre a vila e todo o vale da Lousã.

O sobrinho Osvaldo, por sua vez, valoriza o papel das folhosas contra o avanço das chamas.

"Toda esta orla de castanheiros nasceu em terras que davam milho e feijão", explica.

Em Vale de Nogueira, nasceram alguns dos audazes carvoeiros da Serra da Lousã, que arrancavam a urze à força de braços e dominavam a milenar arte do fogo.

Hoje, se o lume traiçoeiro chegar, os habitantes encontram segurança num abrigo comunitário que também pode ser palco de casamentos e outras festas.

Noticias ao Minuto

Sem comentários:

Enviar um comentário