Será este Unimog o Camião de Bombeiros mais Brutal do Mundo? (fotos) - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Será este Unimog o Camião de Bombeiros mais Brutal do Mundo? (fotos)


Quando pensámos em camiões de bombeiros a primeira coisa que nos vem à cabeça são veículos lentos, pesados e com um desenho muito pouco atraente. Mas o novo camião dos bombeiros voluntários de Kirchzarten, na Alemanha, não é nada disto…

Esta brigada alemã tem ao seu serviço um Unimog U 5023, máquina que foi transformada e optimizada para actuar na conhecida "Floresta Negra" alemã. Com 45 cm de altura ao solo, um avançado sistema de tracção integral e enormes pneus todo o terreno, há muito poucos obstáculos que este Unimog não consegue ultrapassar.

A dianteira, a cabine, permaneceu inalterada e é igual ao que encontramos em todos os recentes Unimog. Mas tudo o resto foi modificado para servir o combate ao fogo. A maior alteração, como não poderia deixar de ser, é o enorme tanque de água 4 mil litros que foi montado na traseira.

Há ainda outro compartimento capaz de armazenar até 500 litros de espuma contra incêndios e uma bomba capaz de bombear uns impressionantes 3 mil litros de água por minuto.

A potência para alimentar tudo isto vem do enorme motor BlueTec 6 diesel de quatro cilindros que produz 231 cv de potência e uns "monstruosos" 900 Nm de binário máximo. Força não falta a este "monstro", que acelera fora de estrada como muito poucos.

Primeiro Unimog foi apresentado em 1946

O primeiro Unimog fez a sua estreia a 10 de Outubro de 1946 e era uma proposta virada maioritariamente para uma utilização agrícola. Rumores dizem que as suas vias eram de 1,20 metros, a distância utilizada na Alemanha entre cada fileira das plantações de batatas…

A sua força e polivalência rapidamente o levaram a outros palcos, entre eles as guerras. Depois da II Guerra Mundial começou a ser exportado para forças militares de vários países, entre eles Portugal, que o usou na Guerra Colonial, onde ficou conhecido como "burro do mato".

Com o passar dos anos começou a equipar corporações de bombeiros, serviços florestais e protecção civil. Graças à sua polivalência até já faz parte do mundo da competição, sendo uma presença habitual em provas de todo-o-mundo como o Dakar.

Fonte: Aquela Máquina



Sem comentários:

Enviar um comentário