Três Kamov Alugados para Substituir Aparelhos do Estado Começaram a Operar - VIDA DE BOMBEIRO

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Três Kamov Alugados para Substituir Aparelhos do Estado Começaram a Operar


Os três Kamov alugados de combate a incêndios, que até outubro vão substituir os três helicópteros do Estado, começaram esta quinta-feira a operar e estão posicionados em Loulé, Macedo de Cavaleiros e Ferreira do Zêzere.

O secretário de Estado da Proteção Civil, José Neves, que hoje visitou o centro de meios aéreos de Ferreira do Zêzere, no distrito de Santarém, disse à agência Lusa que estes três helicópteros pesados, que também são da marca Kamov, estavam já em Portugal desde o final da semana passada, mas, devido ao processo de certificações, só começaram hoje a operar.

Para substituir os três Kamov do Estado parados desde o início do ano, o Governo fez um contrato alternativo através de ajuste direto para garantir os 55 meios aéreos que integram o dispostito de combate a incêndios rurais.

O secretário de Estado da Proteção Civil observou que o Estado foi obrigado a contratar estes três helicópteros porque a empresa responsável pela manutenção dos Kamov do Estado "não cumpriu" com as suas obrigações.

Segundo José Neves, os três Kamov alugados integram o dispostito até 31 de outubro e o valor do contrato ronda os 3,6 milhões de euros.

O secretário de Estado disse que os três helicópteros pesados alugados têm "melhores características", tendo a capacidade de transportar mais água do que os Kamov do Estado.

Estes três kamov transportam entre 4.000 a 5.000 litros de água, enquanto os do Estado levam 2.500 litros.

Além de Ferreira do Zêzere, os Kamov ficam estacionados em Loulé e Macedo de Cavaleiros.

O secretário de Estado disse ainda que o helicóptero que está em Loulé partilha a base com Santa Comba Dão, uma vez que os meios são deslocados em função do risco de incêndio.

Lusa

Sem comentários:

Enviar um comentário