26 Pessoas Morreram Abraçadas entre as Chamas na Grécia - VIDA DE BOMBEIRO

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 24 de julho de 2018

26 Pessoas Morreram Abraçadas entre as Chamas na Grécia


As chamas encurralaram famílias que tentavam fugir de Mati, a 29 quilómetros de Atenas, capital grega, durante a tarde de segunda-feira. Mais de 60 pessoas morreram no pior incêndio que deflagrou no país desde 2007.

Segundo as autoridades gregas, 700 pessoas foram resgatadas do mar, o refúgio encontrado enquanto um incêndio devastador se espalhava pela pequena cidade, conhecida como destino de férias.

A Proteção Civil disse que encontrou 26 pessoas, que morreram abraçadas perto da praia. "Tentaram encontrar uma rota de fuga, mas, infelizmente, essas pessoas e os filhos não conseguiram chegar a tempo", disse Nikos Economopoulos, chefe da Cruz Vermelha da Grécia. Outras testemunhas disseram que também viram vários corpos na área.

Vinte vítimas foram também encontradas esta terça-feira, depois das primeiras duas dezenas na segunda-feira informou o governo esta terça-feira. Acredita-se que uma das vítimas mais jovens era um bebé de seis meses que morreu por inalação de fumo.

A guarda costeira grega disse que corpos de quatro pessoas foram retirados do mar perto de Mati. No total, a guarda costeira e outras embarcações resgataram 696 pessoas que fugiram para as praias. Barcos tiraram outras 19 pessoas do mar.

A polícia disse que encontrou dois turistas dinamarqueses num barco na costa de Rafina. Outras oito pessoas do grupo ainda estavam desaparecidas.

"Mati já não existe como uma povoação", disse uma mulher à Skai TV, citada pelo "The Guardian". "Vi corpos e carros queimados. Sou sortuda por estar viva".

Mati fica na região de Rafina, que é popular entre os turistas locais, especialmente aposentados e crianças em acampamentos de férias. Nove barcos de patrulha costeira, duas embarcações militares e dezenas de embarcações particulares, auxiliadas por helicópteros do exército, foram mobilizadas para ajudar as pessoas presas no porto de Rafina.

Na segunda-feira, autoridades gregas pediram aos moradores que abandonassem as casas à medida que outro incêndio florestal deflagrava ferozmente, fechando uma das estradas mais movimentadas da Grécia, interrompendo ligações ferroviárias e lançando fumo sobre a capital.

Críticas à operação de resgate aumentaram na terça-feira, sendo que locais alegaram que as autoridades haviam subestimado a ferocidade dos incêndios. Uma moradora, identificada como Christina, disse que as autoridades estavam mal organizadas. "Não havia plano. Nem uma gota de água foi lançada nas chamas. É por isso que as pessoas morreram. Ninguém foi informado por ninguém ", disse a mulher, que escapou por pouco.

"Houve tempo, mas não havia plano. Nem mesmo um plano de fuga. Nós fomos salvos por um fio de cabelo", rematou a mulher.

JN

Sem comentários:

Enviar um comentário

________________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________