Chamas mal apagadas provocam 20% dos fogos - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 15 de maio de 2018

Chamas mal apagadas provocam 20% dos fogos


Na Europa, somente Portugal reporta o fenómeno dos reacendimentos. Especialistas apontam falhas no combate.

Entre 25 países europeus, dois do Norte de África e um do Médio Oriente, apenas Portugal aponta os reacendimentos como uma das principais causas dos seus incêndios florestais. De acordo com o Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia (JRC), os fogos mal apagados por cá estiveram na origem de 20% de incêndios, em 2016 - último ano em que Lisboa enviou dados atualizados e fechados para as instâncias europeias.

Desde os anos de 1990 que este cenário é conhecido pelas autoridades, dizem os especialistas em incêndios florestais, que apontam como um dos principais motivos para os reacendimentos a falta de formação de quem combate os fogos em Portugal, a forma como o têm estado a fazer e os materiais usados no terreno. Apesar da dimensão do problema, a estratégia do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para 2018, não contempla uma única linha sobre esta temática.

No último relatório da JRC - Fogos Florestais na Europa, Médio Oriente e Norte de África, dos países analisados, Portugal é o que o mais incêndios florestais reportou, em 2016: 13261. Até aqui nada de novo, à exceção de que a Rússia, com uma área 185 vezes maior, teve menos três mil fogos no mesmo período. Mas Lisboa destaca-se por ser a única capital a indicar que um número considerável dos seus incêndios teve origem em reacendimentos; mais nenhum outro país o faz, mesmo que no passado tenha existido países a reportar também casos.

Contas feitas pelo Centro Comum de Investigação: 45% dos incêndios surgiram por negligência - como queimadas que correram mal -, 34% foram causados de forma intencional e 20% tiveram origem em reacendimentos. Só 1% das chamas surgiu de forma natural. É preciso recuar a 2013 para encontrar entre os relatório da JRC números residuais sobre reacendimentos noutros países, como a França ou a Roménia.

Ainda não há dados fechados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) sobre este fenómeno, relativos a 2017. Aliás, nem em relação ao ano anterior. No último relatório provisório no ano passado, é referido apenas que, com base na base de dados do Sistema de Gestão de Incêndios Florestais (SGIF), houve, até 16 de outubro de 2017, "registo de 1245 reacendimentos, menos 18% do que a média anual do período 2007-2016". No ano passado, ocorreram 3639 incêndios florestais.

Cultura da água impera

Para Paulo Fernandes, investigador na área de engenharia florestal na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, o problema dos reacendimentos em Portugal "há muito que está identificado".

"Se não mudarem os métodos utilizados há anos no rescaldo, baseados essencialmente em água, não sairemos desta cepa torta", refere o especialista, que integrou as duas comissões técnicas independentes dos trágicos incêndios de 2017, que apontaram os reacendimentos como responsáveis por 40% dos incêndios.

"Para evitar um reacendimento, é preciso que a área queimada fique separada da que não ardeu, escavando até ao solo mineral, com equipamentos de sapadores ou com máquinas de arrasto, retirando aquela manta morta. Estamos a falar de 20 a 30 centímetros de profundidade", diz Fernandes.

Sublinha o docente que, "nos anos de 1980, quando se deu uma passagem de funções dos Serviços Florestais para os bombeiros voluntários, foi aí que se assistiu à mudanças nas estratégias de combate a incêndios: começou a aplicar o mesmo tipo de combate nos fogos florestais que se usava em meio urbano, baseado na água".

Entre outros motivos, Fernando Curto, presidente da Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais (ANBP), atribui os "rescaldos que são mal feitos" a "uma cultura que se instalou neste setor", de que "dá mais adrenalina andar no combate a um fogo do que andar na retaguarda do incêndio, a levantar a manta morta".

"Há outro fator muito importante: os bombeiros ainda não têm o rescaldo completo num local e já estão a ser enviados para outros incêndios", refere Curto, que aponta "a urgência em corrigir lacunas graves, como o facto de os bombeiros não utilizarem material sapador, como motosserras ou "bulldozers"".

O dirigente sugere que "as Forças Armadas podem ser essenciais na fase de rescaldo". "A isto, junte-se o uso de caldas gelatinosas e retardantes, lançadas pelos meios aéreos sobre os incêndios, e aí veríamos se as estatísticas mudariam ou não", conclui.

Pormenores

Alerta para formação

Há pelo menos duas décadas, que vários estudos sobre os reacendimentos em Portugal referem a necessidade de formação dos bombeiros para a fase de consolidação do rescaldo dos incêndios, acompanhada de utilização de ferramentas manuais.

Altos e baixos

Nos finais dos anos da década de 1990, ocorreu um considerável decréscimo do número de reacendimentos. Segundo o estudo "Causas de incêndios florestais em Portugal", que juntou vários especialistas das universidades do Porto, Coimbra e Minho, até essa diminuição, entre 1996 e 1999, havia uma ordem de 5000 reacendimentos anualmente.

Máquinas nunca chegaram

Em 1981, os antigos Serviços Florestais passaram para os bombeiros a competência do combate a fogos florestais, assumindo só a prevenção e a deteção. As máquinas e equipamentos que tinham nunca chegaram aos bombeiros, apesar de previsto. Nesses anos, o número de ignições multiplicou-se. Em 1996, o Governo de Guterres extinguiu os Serviços Florestais e integrou-os nas direções regionais de Agricultura. Só mais tarde, os bombeiros voluntários passaram finalmente a ser remunerados.

JN

Sem comentários:

Enviar um comentário