C-295 Volta a Auxiliar Proteção Civil no Combate aos Fogos - VIDA DE BOMBEIRO

--------------------------------------------------------------------------------------------------

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

terça-feira, 29 de maio de 2018

C-295 Volta a Auxiliar Proteção Civil no Combate aos Fogos


A Proteção Civil vai voltar a contar este ano com o apoio de uma aeronave da Esquadra 502, da Base do Montijo, para a deteção de focos de incêndio.

Através de sensores térmicos e câmaras de alta definição, o C-295 M consegue identificar não só um fogo, como qual a possível evolução que poderá ter. Em agosto do ano passado, quando o Governo declarou estado de calamidade por três dias, este avião conseguiu detetar dezenas de ignições, na maioria noturnas. Uma das razões para o seu sucesso é a impossibilidade de ser detetado a olho nu no solo. Para muitos, não passa de um ponto no céu.

A assinalar este ano uma década de aquisição pela Força Aérea (FA) e com uma ativa participação no Frontex, o sistema da Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas, os C-295 têm a capacidade de "cobrir áreas bastantes extensas" e de forma "bastante incógnita", explicou ao JN Alexandre Gil, capitão da esquadra, cuja atividade inclui uma intensa "fiscalização marítima" das águas nacionais.

"Os sistemas da aeronave permitem detetar os focos de incêndio e igualmente perceber qual está a ser evolução dos mesmos. Permite-nos identificar as áreas onde o incêndio está mais ativo, podendo ajudar a alocar os meios para combater esses mesmos incêndios. No fundo, o nosso trabalho será esse: fornecer o material, para que possa ser interpretado e auxiliar no combate ao incêndio", apontou aquele militar da Esquadra 502, numa visita a uma das aeronaves, sediada na Base Aérea do Montijo, que em breve dará lugar ao aeroporto complementar da Portela.

Janelas ovais complementam radar

O C-295 conta com uma câmara "Flir", com capacidade de deteção térmica e sensores, controlados pelos operadores de vigilância que constituem a tripulação de seis pessoas destas aeronaves. Além desse mecanismo, instalado no nariz da aeronave, é possível ainda detetar qualquer foco de incêndio a olho nu, através das duas janelas de observação na parte traseira, de forma oval.

"A observação com o olho humano acaba por detetar muitas coisas, algumas delas, se calhar, mais facilmente que o sistema. O sistema temos de ser nós a direcioná-lo para lá, enquanto que o olhar acaba por cobrir uma área bastante grande", sublinha Alexandre Gil.

Através das janelas, "é possível colocar a cabeça como se se estivesse fora da aeronave". "A bolha é saída e tem um campo de visão bastante alargado: 180 graus para cada lado da aeronave e o mesmo para cima e para baixo. Dá-nos um campo de observação muito largo. Junto com os pilotos lá à frente, com o coordenador tático e o operador de sistemas aqui atrás, cobrimos em termos de visão os 360 graus uma área", frisa.

A deteção está bem oleada, tendo em conta o que aconteceu no ano passado, entre 19 e 21 de agosto (os dias de calamidade pública): "o observador identifica uma coluna de fumo e o coordenador tático, com o operador, direciona para lá os sistema e vão analisá-lo".

Quanto ao tempo de voo, não há limitações. "Podemos voar durante oito horas e isso é mais do que suficiente para cobrir todo o território nacional. Conseguimos cobrir desde o Norte ao Sul o território e depois focarmo-nos nas áreas que acharmos, ou a entidade que estiver a gerir a essa missão achar, que são mais preocupantes e mais interessantes acompanhar", conclui Alexandre Gil.

Fonte: JN

Sem comentários:

Enviar um comentário